Servidores fazem caminhada para pressionar Greca

Servidores estão concentrados neste momento ao lado da prefeitura.

 A caminhada até o local teve o objetivo de pressionar o prefeito Rafael Greca
(PMN), depois de aprovação em primeiro e segundo turno dos quatro projetos do
pacotaço que mais afetam o funcionalismo público.

Agora, os projetos dependem da sanção do prefeito. 

Marcha e pressão sobre Greca 

Depois de assembleia realizada na Praça 19 de Dezembro, no
final da manhã, os servidores públicos municipais marcharam rumo à prefeitura,
em número de 2 mil. 

No entorno do Centro Cívico já se encontrava grande
policiamento.

“O nosso movimento continua, nós vamos somar nas lutas que
vierem, denunciando o impacto dos projetos do pacotaço na vida das pessoas e
dos servidores”, critica Irene Rodrigues da coordenação geral do Sismuc.

A servidora explica que haverá impacto sobre o povo de
maneira geral, citando os projetos referentes ao Imposto de Transmissão de Bens
Imóveis (ITBI) e taxação sobre coleta do lixo.
Truculência 

Em menor número hoje, servidores protestavam contra a
truculência do dia anterior, quando ação da polícia militar fez uso de spray
pimenta, cassetetes e gás lacrimogêneo.

As professoras de educação infantil Clarice Machado, Mônica
Dias, Jaqueline Dias, Vanessa Aragão, Daiane Cristina Franquim, do Cmei Fúlvia
Rosemberg, localizado no bairro Boqueirão, reclamam do tratamento dado ao servidor no dia de ontem. 

“Lamentável perder nossos direitos dessa maneira”, afirma
Daiane.

NÃO PERCA!

Às 14h está prevista assembleia dos municipais, para definir rumos da greve e a greve geral do dia 30 de junho. O local é ao lado do prédio da prefeitura.

CMEIs e escolas sofrem com defasagem de profissionais

Falta de professores, CMEIs com estruturas defasadas e, agora, mais um grande problema encontrado na educação pública da cidade inteligente. A Secretaria de Educação de Curitiba tem feito o dimensionamento dos profissionais que atuam nas escolas especiais, ou seja, vem

Leia mais »