Greca quer dificultar a entrega de alimentos para população de rua

Além
de negligenciar a população de rua completamente durante a
pandemia, Greca, agora, quer dificultar e até mesmo multar aqueles
que ousam contribuir e alimentar homens, mulheres e crianças que
vivem em situações miseráveis.

O
prefeito de Curitiba, por meio do projeto de lei que estabelece o
programa Mesa Solidária, protocolado na Câmara Municipal esta
semana, quer restringir a distribuição de alimentos realizadas pela
sociedade civil organizada, como ONGs, sindicatos e demais entidades.

Na
aparência, o projeto parece propor formas de levar alimentos para as
pessoas em situação de vulnerabilidade. Mas, não se engane, a
iniciativa do prefeito propõe até mesmo multa para aqueles que
distribuírem alimentos sem autorização da Prefeitura. O projeto
estabelece critérios para que essa distribuição aconteça e eles
precisam estar de acordo com horário, data e local estabelecidos
pela administração municipal. Segundo a proposta, o valor da multa
pode variar entre R$ 150,00 e R$ 550,00.

Dessa
forma, o prefeito Rafael Greca ataca a população em situação de
rua duas vezes: a primeira está relacionada a falta de política
pública para atender essa população, como auxílio moradia,
alimentação, higiene, entre outras, a segunda é ao impedir que as
pessoas que se sensibilizam com o sofrimento enfrentado pela
população em situação de rua ajudem a minimizar a fome dessas
pessoas.

Existe
muito a ser feito nas áreas da saúde e da assistência social
públicas do município, mas a administração de Curitiba prefere
empenhar esforços para dificultar ações de solidariedade entre
trabalhadores.

Resolver
a fome imediata da população é dever do Estado. Mas, nossa
sociedade é profundamente desigual e, nesse sistema, o Estado atende
aos interesses da classe dominante, que não tem interesse nenhum em
minimizar o sofrimento dos mais vulneráveis. Então, quando esse
Estado falha, a solidariedade de classe é uma resposta histórica
dos trabalhadores para aplacar as necessidades básicas dos mais
vulneráveis.

E é contra essa solidariedade de classe que o projeto de lei foi protocolado pela gestão Greca. A sociedade civil organizada e os movimentos sociais já produziram uma carta contra a iniciativa da Prefeitura e nos somamos a essa posição! Precisamos resolver o problema da fome imediata da população em situação de rua e não dificultar ainda mais que a comida chegue a quem precisa! E é fundamental que o prefeito invista mais recursos na assistência social que sofre com o descaso desde o início da gestão Greca!

SISMUC convoca servidores da odontologia para reunião

Atenção, profissionais que atuam na odontologia, convidamos vocês para participarem da reunião, no dia 29 de setembro, às 19 horas, no SISMUC, para tratar das condições de trabalho e da transição da carreira. Esse espaço é fundamental para deliberarmos sobre

Leia mais »