Contra a precarização da educação, todos na assembleia!

Mais uma vez, o governo federal tem mostrado que qualidade
na educação e no serviço público não é prioridade. Cortes na educação básica e
no ensino superior, fechamento de escolas e universidades, perseguição
ideológica a professores e professoras e a reforma da previdência. Essas são
algumas das medidas que o governo Bolsonaro tem aplicado na educação e para os
trabalhadores.

Para responder a estes ataques, o SISMUC e o SISMMAC
convocam todos os trabalhadores da educação a participarem da assembleia
conjunta, que acontece na próxima quinta-feira (9) a partir das 18h30 na sede
do SISMUC (Rua Nunes Machado, 1577).
Como pauta principal da assembleia os
trabalhadores discutirão a Greve Nacional da Educação, que tem como objetivo
construir resistência aos ataques do governo federal. O dia de luta será
realizado no dia 15 de maio em todo o Brasil.

Governo fecha os
olhos para educação

A vida destes trabalhadores nunca foi fácil. Os
baixos salários, a falta de investimentos e a falta de estrutura nos locais de
trabalho, dificultam ainda mais a vida dos profissionais da área. Se já não
bastasse tudo isso, o Ministério da Educação (MEC) declarou guerra contra esses
profissionais, incitando alunos a filmarem as aulas e delatarem seus
professores.

A expectativa é que estes ataques cresçam. Na última semana
Bolsonaro e o Ministro da Educação Abraham Weintraub anunciaram cortes na
educação básica que chega a R$ 680 milhões. Nas universidades os cortes chegam
a 30% do total das verbas.
Essas medidas podem inviabilizar o
funcionamento de algumas escolas e universidades, além de reduzir a qualidade de ensino e aumentar a piora das condições de trabalho trabalhadores da educação.

Reforma da Previdência

A desculpa para os cortes é de que é preciso economizar devido à crise econômica, porém, o perdão das dívidas dos empresários e gastos com parlamentares não param! A Reforma da Previdência é a maior retirada de direitos que os trabalhadores estão enfrentando neste momento.



A Greve Nacional da Educação também luta contra ela. Os trabalhadores terão que contribuir mais, por mais tempo, e ainda receberão menos por sua aposentadoria. Para os professores e professoras, é o fim da aposentadoria especial de 25 anos de trabalho, além de impor uma idade mínima de 60 anos para homens e mulheres.



A nossa luta é por melhores condições de trabalho e garantia de qualidade de ensino! Para barrar estes ataques a educação precisa se unir e compor essa grande mobilização, lutando contra os cortes nos investimentos na educação.

Reforma da Previdência

A desculpa para os cortes é de que é preciso economizar devido à crise econômica, porém, o perdão das dívidas dos empresários e gastos com parlamentares não param! A Reforma da Previdência é a maior retirada de direitos que os trabalhadores estão enfrentando neste momento.



A Greve Nacional da Educação também luta contra ela. Os trabalhadores terão que contribuir mais, por mais tempo, e ainda receberão menos por sua aposentadoria. Para os professores e professoras, é o fim da aposentadoria especial de 25 anos de trabalho, além de impor uma idade mínima de 60 anos para homens e mulheres.

Governo fecha os olhos para educação

A vida dos professores e professoras nunca foi fácil. Os baixos salários, a falta de investimentos e a falta de estrutura nos locais de trabalho, dificultam ainda mais a vida dos profissionais da área. Se já não bastasse tudo isso, o Ministério da Educação (MEC) declarou guerra contra esses profissionais, incitando alunos a filmarem as aulas e delatarem seus professores.



A expectativa é que estes ataques cresçam, na última semana Bolsonaro e o Ministro da Educação Abraham Weintraub anunciaram cortes na educação básica que chega a R$ 680 milhões. Nas universidades os cortes chegam a 30% do total das verbas. Essas medidas além de poder inviabilizar o funcionamento de algumas escolas e universidades, reduz a qualidade de ensino e piora as condições de trabalho dos servidores e servidoras.

Reforma da Previdência

A desculpa para os cortes é de que é preciso economizar devido à crise econômica, porém, o perdão das dívidas dos empresários e gastos com parlamentares não param! A Reforma da Previdência é a maior retirada de direitos que os trabalhadores estão enfrentando neste momento.



A Greve Nacional da Educação também luta contra ela. Os trabalhadores terão que contribuir mais, por mais tempo, e ainda receberão menos por sua aposentadoria. Para os professores e professoras, é o fim da aposentadoria especial de 25 anos de trabalho, além de impor uma idade mínima de 60 anos para homens e mulheres.

Reforma da Previdência

A desculpa para os cortes é de que é preciso economizar devido à crise econômica, porém, o perdão das dívidas dos empresários e gastos com parlamentares não param! A Reforma da Previdência é a maior retirada de direitos que os trabalhadores estão enfrentando neste momento.



A Greve Nacional da Educação também luta contra ela. Os trabalhadores terão que contribuir mais, por mais tempo, e ainda receberão menos por sua aposentadoria. Para os professores e professoras, é o fim da aposentadoria especial de 25 anos de trabalho, além de impor uma idade mínima de 60 anos para homens e mulheres.

15 de maio – Dia do/da Assistente Social

No Dia do Assistente Social, reconhecemos o papel crucial desses profissionais na construção de uma sociedade mais justa e inclusiva. Seu trabalho é fundamental para garantir que todos tenham acesso aos seus direitos básicos e vivam com dignidade. Vamos valorizar

Leia mais »