É hora de parar! Coletivo acata proposta de paralisação no próximo dia 22 de novembro

O Coletivo de Professores de Educação Infantil se reuniu na
sede do SISMUC na terça-feira (13) para debater a conjuntura de ataques e os
próximos passos da mobilização. Além da proposta de ampliação do pacotaço, que prevê
a contratação precarizada via Processo Seletivo Simplificado (PSS) para os
equipamentos, a falta de professores, a falta de permanência hora-atividade, adoecimento
dos profissionais, as salas lotadas e o fechamento de turmas de período integral
em 6 CMEIs foram alguns dos temas debatidos.

Algo que tem afetado muito a categoria é a questão do remanejamento
das professoras de educação infantil de 6 CMEIs: Nice Braga (Santa Quitéria), Vila
Verde (CIC), Lala Schneider (Sítio Cercado), Jardim Saturno (Santo Inácio), Cinderela
(Pilarzinho) e Vila Macedo (Cajuru). Essa proposta da prefeitura trouxe
insatisfação tanto para os servidores quanto para a população atendida nessas unidades.
Durante o início do mês tivemos atos simultâneos nos CMEIs onde a população expôs
que não foi consultada sobre a oferta de vagas no integral, pois ao contrário
do que a prefeitura diz a população não recebeu explicações sobre o fechamento
de turmas de Pré em período integral. O modelo que a Prefeitura quer implantar
abre oferta de vagas em meio período e diminui o número de profissionais para o
atendimento das crianças.

Para enfrentar esses ataques o coletivo deliberou pela paralisação
total dia 22 de novembro dos 6 CMEIs: Nice
Braga, Lala Schneider, Jardim Saturno, Cinderela, Vila Verde e Vila Macedo, e
paralisação de 50 minutos para os demais CMEIs, por conta da falta de
professores, hora permanência e melhores condições de trabalho.

O coletivo foi marcado não apenas por notícias tristes e
momentos de tensão, mas contamos com a participação da professora da rede
municipal de ensino Déa Maria de Oliveira Aguiar, que abriu o coletivo com a contação
da história “Uma promessa de ouro”, do livro Amores em África de Lenice Gomes.

CMEIs e escolas sofrem com defasagem de profissionais

Falta de professores, CMEIs com estruturas defasadas e, agora, mais um grande problema encontrado na educação pública da cidade inteligente. A Secretaria de Educação de Curitiba tem feito o dimensionamento dos profissionais que atuam nas escolas especiais, ou seja, vem

Leia mais »