Nota da direção do Sismuc – É tempo de coragem, não de gestos pequenos

Num gesto pequeno,
pessoas anônimas difundem documento para expor questões fiscais do
Sismuc, questões já apresentadas em assembleia, todos os anos, no
mês de março, conforme o estatuto.Outras informações do documento
simplesmente são falsas e mal intencionadas.

Os autores, de todo
o modo, são os chamados “pescadores de água turva”, não se
sabe a serviço de quem, mas sabe-se a serviço de que causa:
confundir e dividir os trabalhadores, defender um sindicato
apequenado, no qual os servidores não tenham mais voz e força de
pressão contra a prefeitura.

No fundo, o discurso
é o mesmo dos patrões, que querem um sindicato de protocolo, sem
lutas, sem produção de materiais, sem debate com a sociedade, sem
debate sobre políticas públicas que beneficiem os servidores
públicos e a sociedade.

São pessoas que
desprezam o fato de o Sismuc, hoje, com suas iniciativas, seus
materiais produzidos, suas voz, ser um dos principais sindicatos de
referência na capital. Lutar pela data-base, ao lado de políticas
públicas, ter o respeito e apoio de amplos setores dos
trabalhadores. Isso caracteriza o sindicato hoje.

Mas os covardes
querem um Sismuc isolado, solitário, sem conquista ou defesa do
trabalhador.

Porém, é tempo de
coragem. Tempo de enfrentamento e de organização. Tempo de debate
franco. Em meio à atual crise econômica e aplicação de medidas
neoliberais, de ajustes autoritários por parte das prefeituras, de
repressão, os que se escondem como velhas avestruzes atrás de
mentiras vão ser atirados no lixo da História.

O sindicato está
tomando as medidas cabíveis legais, no sentido de identificar a
autoria caluniosa.

A direção esta
aberta sempre ao debate franco em cada visita à base, em cada
votação na Câmara, em cada assembleia e reunião de coletivo do
sindicato, em cada luta.

Em tempo: na reunião
de quinta (22), de apresentação e prestação de contas do sindicato, em
mais um exercício de transparência, nem sinal de quem difundiu o
material calunioso.

CMEIs e escolas sofrem com defasagem de profissionais

Falta de professores, CMEIs com estruturas defasadas e, agora, mais um grande problema encontrado na educação pública da cidade inteligente. A Secretaria de Educação de Curitiba tem feito o dimensionamento dos profissionais que atuam nas escolas especiais, ou seja, vem

Leia mais »