Sismuc realiza evento sobre movimentos sociais

“Nenhuma pessoa é
uma ilha, completo em si própria; cada ser humano é uma parte do
continente, uma parte de um todo”. A frase do poeta inglês John
Donne serve como resposta para o isolamento que algumas pessoas
pretendem que o sindicato se torne. Por diversas vezes, essas pessoas
querem que a entidade apenas defenda os interesses da categoria,
quando muito, apenas o seu próprio interesse. “Farinha pouca, meu
pirão primeiro”.

Porém, um dos
papéis de um sindicato é mostrar que a luta é coletiva. É
discutir com seus associados que “uma andorinha sozinha não faz
verão”. Por isso, é necessário reunir forças, reunir aliados,
reunir a maior quantidade possível de apoio para poder avançar em
suas pautas. E, no dia a dia, conforme a pessoa se aprofunda nos
debates, ela percebe que a sua luta é muito semelhante a luta de
outra pessoa, mesmo não pertencendo a sua categoria, percebe que
está perdendo os mesmos direitos, mesmo não tendo o mesmo gênero,
não tendo a mesma etnia, percebe que sempre são prejudicadas
aquelas que têm a mesma renda social ou não tiveram oportunidade de
progredir na vida.

É nessas horas que
se desperta a consciência de classe, é em instantes como estes que
se fica indignado com a dor dos outros, é nessas ocasiões que a
solidariedade faz com que possamos comemorar as vitórias que até
podem não ser nossas, mas pela qual torcemos por saber que elas
buscam fazer o bem.

E é justamente
buscando o equilíbrio dessa relação indivíduo/coletivo que o
Sismuc dá importância para as pastas com abordagens sociais. A
entidade entende que o servidor também é jovem e precisa de
políticas públicas para si, que a servidora que atende em
equipamento também pode ser vítima de abuso sexual, que um servidor
negro pode ser hostilizado fora de seu local de trabalho (e até em
seu local de trabalho) apenas por causa de sua cor.

Por isso, a entidade
está promovendo a Ciranda do Sismuc. Neste encontro, cinco pastas
explicam como interagem as pautas em busca entre as demandas por
melhores condições de trabalho e salários com necessidades dos
cidadãos. O encontro ocorre nesta sexta-feira, às 19h00, no segundo
andar. Compareça e troque experiências.

CMEIs e escolas sofrem com defasagem de profissionais

Falta de professores, CMEIs com estruturas defasadas e, agora, mais um grande problema encontrado na educação pública da cidade inteligente. A Secretaria de Educação de Curitiba tem feito o dimensionamento dos profissionais que atuam nas escolas especiais, ou seja, vem

Leia mais »