SEM SURPRESA: Temer escapa de ser investigado

A rejeição ao início do processo que devia investigar o presidente Michel Temer não é novidade para ninguém. Pelo menos não deveria ser. Até ficaria surpreso se alguém se surpreendesse com o resultado após liberação de emendas parlamentares e jantares.

VIOLA NO SACO | Inusitado apenas foi a liberação da bancada tucana para votar contra parecer feito pelo seu partido e o voto negativo do deputado sertanejo Sérgio Reis, que é campeão de emendas.

GUERRA FRIA TARDIA | No mais, deputados delirantes acusando a esquerda brasileira de ser comunista e dizendo que o povo não quer a troca de presidente.

SAI FAMÍLIA, ENTRA MERCADO | Por outro lado, foi curioso assistir os argumentos dos deputados defensores do malão. Quando tiraram a Dilma era pela economia. Na sequência, a dívida pública cresceu, a arrecadação diminuiu com os perdões de sonegadores. O desemprego cresceu. O aumento de impostos chegou. Mesmo assim, mantiveram Temer pela economia. Mudaram o discurso. Mantiveram a mentira.

BALADA NOTURNA | O “sim” dado a não investigação também significa que Temer pode continuar fazendo falcatruas e só será investigado em 2019, segundo seus defensores. É inusitado: se presidente não fosse, responderia por corrupção na Lava Jato. Porém, como “presida” recebeu bandido fora do expediente. Mesmo assim, teve deputado dizendo que a “investigação é necessária, mas não urgente. Enquanto isso, malas sobrevoam Brasília.

GADINHO MENOR | A vitória simples de Temer não pode ser comemorada com panelaço nas sacadas. Ela mostra que ele não tem mais votos para aprovar a reforma da previdência. Para os 342 votos que representam 2/3, faltaram pouco mais de 80 parlamentares.

NO ESCURINHO | A ausência de bandeiras brasileiras e confetes mostram que o circo deu lugar ao cemitério. Os deputados tinham quinze segundos para discursar. Alguns não usaram nem um. Foi a turma do “sim”. Enquanto isso, Rodrigo Maia, coveiro ansioso, não via a hora do filme acabar.

A CONTA, POR FAVOR | Não se enganem, a oposição venceu. O custo para o governo saiu caro com as emendinhas sendo liberadas a rodo. E quem vai pagar é o povo com aumento de impostos ou com corte de gastos. Temer segue sangrando e sem coalizão.

TEM TROCO | Falar mal do PT parece que ainda dá votos. Ficar ao lado de Temer, deve tirar. Logo, o PSDB não sabe como resolver essa equação: PT – Temer = 2018.x

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »