Governo afeta dos mais pobres à classe média

Michel Temer (PMDB) aumentou o preço da gasolina em até R$ 0,41 por litro. Ao mesmo tempo, liberou R$ 2,1 bilhões em emendas a deputados. Em troca, ele quer que os parlamentares o defendam na votação que define no Congresso se as denúncias de corrupção, apresentadas pela Procuradoria Geral da República, devem ter prosseguimento.

O total de emendas parlamentares por parte de Temer, em 2017, soma R$ 4,1 bilhões. Mais uma vez, o custo do golpe recai sobre o bolso da maioria da população, dos mais pobres, passando pelos trabalhadores formalizados e chegando à classe média.

Está cada vez mais na cara: Temer assumiu a Presidência para “estancar” a sangria das denúncias de corrupção da Lava Jato e para aplicar políticas econômicas que reduzam os salários e benefícios de cada trabalhador – o que ocorreu com a aprovação pelo Senado da reforma trabalhista.

Nesse cenário de impacto imenso das medidas de um governo impopular sobre a maioria da sociedade, ainda é tempo de retomar a ideia de Diretas Já, a exemplo do que trabalhadores e classe média fizeram nos anos 1980.

Edição: Pedro Carrano e Daniel Giovanaz

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »