Protestos marcam casamento da deputada Maria Victoria, filha de Ricardo Barros

Chuva de ovos

O casamento da deputada estadual Maria Victória Borghetti Barros (PP) com o advogado Diego da Silva Campos, na noite desta sexta-feira (14), teve bem mais participantes do que o planejado pelos noivos. Além dos cerca de mil convidados, centenas de manifestantes ocupam a região do Largo da Ordem, Centro de Curitiba. A concentração foi maior em frente à Igreja do Rosário e ao Palácio Garibaldi, locais da cerimônia religiosa e da festa, respectivamente.

A deputada é filha de Ricardo Barros, ministro da Saúde do governo Michel Temer, e de Cida Borghetti, vice-governadora do Paraná, também do PP.

O protesto foi contra as reformas trabalhista e previdenciária, ambas apoiadas pela família Barros. A ação também denuncia a ilegalidade cometida pela deputada Maria Vitória, que instalou uma fachada anexa ao Palácio Garibaldi, prédio histórico, sem autorização prévia.

A ação começou por volta das 18h30, com batucada, faixas como a frase “Deputada do camburão tem casamento ostentação”, “Viemos brindar a sua boa vida”, e palavra palavras de ordem como “Golpistas”, “Fora Beto Richa” e “Chega de deboche, eu quero o meu brioche”. Um grupo de manifestantes segue no local.

Apesar do clima agradável e seco desta sexta-feira na capital paranaense, convidados da festa usaram guarda-chuvas. O objeto serviu de escudo de proteção contra ovos arremessados pelos manifestantes.

Entre as organizações mobilizadoras do ato estão as Frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo, Resistência Democrática e o movimento CWB Resiste.

Pelo menos 15 viaturas da polícia militar estão no local e integrantes da Tropa de Choque cercavam os locais públicos utilizados para o casamento.

Ilegal

A estrutura montada exclusivamente para a festa do casamento de Maria Victoria, em frente ao Palácio Garibaldi, foi considerada ilegal pela Coordenação de Patrimônio Cultural (CPC). Trata-se de uma fachada montada para ampliado para aumentar a capacidade de público do local, mas que foi armada sem autorização prévia. Uma multa, de valor ainda não estipulado, será aplicada à Sociedade Garibaldi, proprietária do edifício.

Maria Vitória informou e solicitou a autorização da Coordenação de Patrimônio Cultural (CPC) apenas dez dias após o início da montagem. De acordo com a CPC, configura-se infração à Lei Estadual nº 1.211, de 16 de setembro de 1953, segundo a qual “sem prévia autorização da Divisão do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Paraná, não se poderá, na vizinhança da coisa tombada, fazer construção que lhe impeça ou reduza a visibilidade, nem nela colocar anúncios ou cartazes”.

O Palácio Garibaldi teve sua construção concluída em 1904 e foi tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico do Paraná em 1988. Maria Vitória envolveu a estrutura de metal, que não precisarão ser retiradas, embora a multa esteja mantida. O valor ainda não foi definido.

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »