Só a luta nos garante!

A classe trabalhadora está sendo duramente massacrada por esse governo que tomou de assalto o poder no País para retirar direitos do povo, minar com a democracia, beneficiar e atender apenas os interesses da elite brasileira. Já nem se disfarça mais a crueldade por trás das medidas seguidamente anunciadas: de grávida que pode trabalhar em local insalubre, à redução do horário de almoço, negociação direta entre patrões e empregados, fim do direito de se aposentar, congelamento dos investimentos sociais, desemprego galopante, sucateamento das instituições e dos serviços públicos, pacotaços, ataques frontais ao funcionalismo, à Justiça do Trabalho, insegurança generalizada e a volta do Brasil ao mapa da fome e da miséria.

Enquanto servidores públicos municipais, somos mais do que os bodes expiatórios da crise no País, como os governos alinhados com essa política excludente, mentirosa e concentradora martelaram nos meios de comunicação para convencer a população de que era necessário mesmo massacrar nossas lutas, tentar nos humilhar, retirar nosso reajuste, adiar nossa data base, suspender nossos avanços nas carreiras e se apropriar dos recursos do nosso fundo de Previdência. E isso não é pouco!

A crueldade maior é que estamos na vitrine do atendimento público, impotentes. Recebemos o impacto das primeiras reações populares diante da insatisfação e da violência brutal com que o massacre fere e sacrifica a nossa gente. Convivemos desde sempre com as mazelas da sociedade, mas o que está se desenhando no horizonte é de uma perversidade sem limites. Para bancar o lucro e o enriquecimento de poucos, precariza-se por completo a vida e as oportunidades para a esmagadora maioria da população. Não estamos vendo aumentar significativamente a população de rua, em retrato cruel do descaso e do abandono?

Já estamos sentindo nas escolas, nos CMEIs, nas unidades de saúde, nos armazéns, nas recepções e atendimentos por telefone, enfim, em todos os espaços de contato mais direto com a comunidade. Somos os primeiros a receber o descontentamento e o sofrimento da população, que temos por dever acolher e apontar soluções dentro de nossas limitações e sensibilidade.

A reforma trabalhista que foi aprovada ontem, a reforma da Previdência Social, que está em curso no Congresso Nacional, as terceirizações, as privatizações, que aumentam os custos dos serviços e oneram ainda mais a população, são obstáculos sociais erguidos em tempo recorde, que reforçam a necessidade de lutarmos, de resistirmos e de reunirmos cada vez mais forças e de seguirmos firmes na busca por caminhos que nos devolvam a soberania, a democracia e o empoderamento do povo.

Temos muito a lamentar, mas muito mais, agora, pelo que lutar.
O massacre à classe trabalhadora parece interminável. Só a luta nos garante!
Curitiba-PR, 12 de julho de 2017

Direção Colegiada do Sismuc

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »