Mais ocupações pelo futuro de Curitiba

Desde a madrugada do dia 16 até o dia 23 de maio, servidores municipais acamparam na praça Eufrásio Correa, ao lado da Câmara Municipal, para pressionar os vereadores sobre os doze projetos enviados pelo prefeito Rafael Greca (PMN) ao Legislativo – sem diálogo efetivo com a população.

No dia 22, ocuparam também a Câmara ao lado de outros sindicatos, de professores, guardas e administrativos, o que temporariamente barrou a votação dos projetos na Comissão de Legislação, Justiça e Redação.

Em meio à umidade e à chuva, o gesto dos servidores se torna fundamental para que Curitiba não se submeta a um ajuste baseado em experiências mal sucedidas, caso do governo do Rio de Janeiro.

As medidas de Greca não afetam só os servidores. O povo curitibano mais pobre também será prejudicado. É o caso do projeto do aumento da alíquota do Imposto Sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) de 2,4% para 2,7%, que afeta a faixa de terrenos com preço de R$ 140 a R$ 300 mil.

No caso dos servidores públicos, as medidas são um erro grave. Em meio a uma crise econômica, congelar o salário de 30 mil trabalhadores da cidade é tornar a economia mais frágil, com menos dinheiro e consumo.

No domingo, o acampamento da resistência recebeu a visita da caminhada pelas Diretas, já!, vinda da Praça Santos Andrade. Nada mais justo. Em Curitiba, e em todo o país, queremos mais democracia e direitos trabalhistas.

O prefeito Greca deveria ter a dignidade de vir ao acampamento ouvir o que os servidores têm a dizer. Mas preferiu, como sempre, a ação de despejo forçado. Seguimos resistindo.

15 de maio – Dia do/da Assistente Social

No Dia do Assistente Social, reconhecemos o papel crucial desses profissionais na construção de uma sociedade mais justa e inclusiva. Seu trabalho é fundamental para garantir que todos tenham acesso aos seus direitos básicos e vivam com dignidade. Vamos valorizar

Leia mais »