Greca quer submeter Plano de Carreira ao ajuste fiscal

Depois de uma paralisação, na parte da manhã, com a presença de milhares de servidores, no início da tarde as comissões de negociação de Sismuc e Sismmac aguardaram reunião agendada com a Prefeitura. E não conversaram nem com o prefeito Rafael Greca, nem os secretários de governo ou finanças.

Quatro representantes de cada sindicato foram recebidos apenas pelo secretário de Recursos Humanos, Carlos Cesar Calderon. E os representantes sindicais ficaram indignados com o retorno da Prefeitura em mesa de negociação.

De acordo com a proposta da gestão, os sindicatos deveriam formar uma comissão para o dissídio – algo que de acordo com as entidades já foi feito e comunicado à gestão por ofício, há duas semanas.

“O prefeito não está priorizando os servidores”, critica Adriana Kalckmann, coordenadora do Sismuc, e acrescenta: “compromissos da gestão anterior foram descumpridos. Há mais de um mês essa agenda vem sendo jogada para a frente”, reclama, acrescentando que as assembleias de servidores municipais e professores aconteceram ainda na semana passada. 

Nada com coisa nenhuma

A outra questão, relativa ao Plano de Carreira de trabalhadores da Educação, aprovado em 2014, com implantação total em dezembro de 2016, depende da proposta de Greca sobre o ajuste fiscal. Os servidores divergem e querem a aplicação da lei.

“Lei não se negocia, se cumpre. Dizer que vai criar uma comissão é uma afronta. Cumprir a lei é a aplicação do crescimento vertical em fevereiro e a aplicação final do Plano de Carreira da educação é obrigação. O ajuste fiscal é mais importante que uma legislação?” critica Irene Rodrigues, coordenadora-geral do Sismuc.

Para os servidores não há como receber apenas a mensagem de formar comissão e os resultados do anúncio do pacote de ajuste fiscal. “São duas não respostas”, resume o diretor do Sismmac, Rafael Furtado.

Os servidores públicos municipais que, hoje pela manhã, foram à luta, fecharam seus locais de trabalho e se deslocaram ao centro, mesmo sem transporte público, agora se mobilizam no dia 31 de março, realizando paralisação de 50 minutos em cada local de trabalho.

No fundo, a reunião de hoje apenas confirmou o sentido da paralisação do dia 31. O movimento cresce e não para.

Ao final da reunião, a gestão assinou pedido de ofício aos sindicatos.

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »