Confetam propõe moção pela retirada da proposta de reforma da Previdência

Com intuito de fortalecer a mobilização nos municípios brasileiros para o 15 de março, Dia Nacional de Paralisação contra a Reforma da Previdência, a Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT) propõe aos vereadores identificados com a defesa dos direitos da classe trabalhadora um modelo de moção de repúdio à PEC 287/16, que dificulta o acesso e reduz o valor das aposentadorias.

A ideia é que o documento seja apresentado às Mesas Diretoras das Câmaras Municipais, aprovado em Plenário e enviado às Presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal exigindo a imediata retirada da proposta e a abertura de um debate público sobre uma reforma que realmente aperfeiçoe, e não destrua, o sistema previdenciário.

O modelo de moção está sendo socializado com as federações filiadas à Confetam/CUT, que por sua vez repassarão aos sindicatos dos servidores municipais do Brasil. A proposta é que as entidade façam pressão junto aos vereadores no sentido de que convoquem audiências públicas para discutir o tema e aprovem o documento em Plenário, antes de enviá-lo ao Congresso Nacional.

“As entidades também podem subscrever o texto e enviá-lo diretamente aos parlamentares que compõem as bancadas federais de seus estados na Câmara e no Senado para deixar claro que, se eles se posicionarem a favor da reforma, não contarão com o voto dos servidores públicos municipais nas eleições de 2018”, afirma a presidente da Confetam, Vilani Oliveira.

Se aprovada, a reforma previdenciária resultará na suspensão do direito à aposentadoria para a maioria da população brasileira, que corre o sério risco de trabalhar e contribuir com a Previdência por uma vida inteira e morrer antes mesmo de conseguir ter acesso ao benefício.

Confira a moção na íntegra

Senhor presidente da Câmara Municipal,

Apresentamos a V.Exa., nos termos do Regimento Interno desta Casa Legislativa, a presente moção de repúdio contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 287/16, a ser encaminhada aos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado Federal, Renan Calheiros, com cópias para as Câmaras Municipais da Região e aos parlamentares das bancadas local e federal do Estado.

Apresentada a toque de caixa ao Congresso Nacional pelo governo do presidente ilegítimo Michel Temer, no dia sete de dezembro de 2016, a PEC 287 é extremamente nociva à classe trabalhadora. Segundo estudos da ANFIP (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) e do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), é grande a probabilidade de mulheres e homens brasileiros morreram antes de conseguirem se aposentar, caso as novas regras sejam aprovadas.

Se a reforma passar, haverá apenas aposentadoria por idade aos 65 anos, que não distinguirá homem de mulher, trabalhador urbano de rural, servidor público de trabalhador da iniciativa privada. Além disso, passa-se a exigir do trabalhador o mínimo de 49 anos de contribuição para que tenha acesso à aposentadoria integral, contra os atuais 25 anos, quase o dobro do tempo.

Estimativas do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para o período 2000-2005 revelam que a probabilidade de um homem não atingir 65 anos de idade no Brasil era 37,3%. Dados de 2010 revelam que a expectativa de vida no Brasil para homens era de 73,9 anos. Mas, no município de Cacimbas, na Paraíba, por exemplo, era de apenas 65,3 anos. Em 3.170 municípios (57% do total), o valor do indicador é menor que a média nacional.

Mesmo dentro de uma única Unidade da Federação as disparidades são gritantes. No Maranhão, a expectativa de vida ao nascer (ambos os sexos) era de 70,4 anos. No entanto, no município de Paulo Ramos, chegava a 65,6 anos, e no município de São Luís atingia 73,8 anos.

Em uma só cidade, como São Paulo, cuja média de expectativa de vida é de 77,8 anos, as desigualdades entre distritos é imensa. Segundo levantamento na Rede Nossa São Paulo, enquanto no Alto de Pinheiros, o tempo médio de vida está em 79,6 anos, em Cidade Tiradentes, na zona leste, esta média é de apenas 53,8 anos, o que confirma a tese de que trabalhadores e trabalhadoras correm o risco de trabalhar até morrer, sem gozar da aposentadoria, mesmo tendo contribuído a vida inteira para a Previdência.

A ANFIP e o Dieese denunciam também a farsa do “déficit” previdenciário, falsamente alardeado pelo Governo Federal numa campanha desonesta para tentar convencer a população de que, se as regras atuais para aposentadoria forem mantidas, a Previdência vai “quebrar”, deixando os trabalhadores sem a garantia do direito ao benefício. Nada mais falso. O tal “déficit” é, na verdade, fruto da exclusão deliberada da contribuição do Governo do cálculo da receita da Previdência, levando em consideração apenas as contribuições de trabalhadores e empregados sobre a folha de salário.

“Considerando, pois, o que reza a Constituição Federal de 1988, não faz sentido falar em déficit, porque existem fontes de recursos constitucionalmente asseguradas no Orçamento da Seguridade Social para financiar a Previdência. O suposto ‘rombo’ de R$ 85,8 bilhões apurado pelo governo em 2015, poderia ter sido coberto com parte dos R$ 202 bilhões arrecadados pela Cofins, dos R$ 61 bilhões arrecadados pela CSLL e dos R$ 53 bilhões arrecadados pelo PIS-Pasep. Haveria ainda os R$ 63 bilhões capturados da Seguridade pela DRU e os R$ 157 bilhões de desonerações e renúncias de receitas pertencentes ao orçamento da Seguridade Social”, conclui o estudo.

Diante dos fatos expostos, e de tantos outros prejuízos embutidos na proposta de reforma do governo, propugnamos pela retirada definitiva da PEC 287 da pauta do Congresso Nacional e pela abertura de um debate nacional sobre a sustentabilidade do Regime Geral da Previdência Social, que beneficia 99 milhões de pessoas, quase a metade da população do Brasil.

Defendemos, por fim, a promoção de audiências públicas para discutir uma reforma previdenciária que contribua efetivamente à ampliação de direitos, e não com a limitação ou extinção destes, como tenta aprovar o governo Temer para atender ao interesse do mercado de privatizar a Previdência e de transformar o direito universal à aposentadoria numa mercadoria a qual só terá acesso quem puder pagar por ela.

Município, 13 de março de 2017.

Vereadores (as) abaixo subscritos (as)

teste

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »