Projeto do período FHC é retomado para ampliar terceirizações

Amanhã, dia 7 de março, pode ser pautado na Câmara dos
Deputados o Projeto de Lei que permite a ampliação da terceirização e a
precarização das relações de trabalho (PL 4302).

Isso ocorre no mesmo período de tentativa de desmanche da
Previdência Social e também da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), via
reforma trabalhista.

Entre as propostas, o 4302 permite a terceirização de
qualquer atividade da empresa, a subcontratação e também estabelece a figura da
pessoa jurídica (PJ) para o trabalhador.

O projeto data na realidade de 1998, há 19 anos, ainda no
governo Fernando Henrique Cardoso (FHC), já aprovado anteriormente na Câmara
dos Deputados e no Senado.

Agora, caso seja
aprovado na Câmara, basta apenas a sanção presidencial. A atual matéria é
considerada mais grave em comparação à proposição do PL 4330, de autoria do
empresário e deputado Sandro Mabel, mas que está parado no Senado.

“É um retrocesso do século passado. Porque esse projeto
permite a terceirização de todas as atividades sem exceção. Para os
trabalhadores, significa que vão ser mais intermediários dividindo um bolo que
já é pequeno. É uma forma também de rebaixar ainda mais os salários e os riscos
de acidentes de trabalho”, afirma Irene Rodrigues, da direção da Confederação
dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam).

Graça Costa, diretora da Central Única dos Trabalhadores, afirma
que a orientação é inserir este tema nas lutas contrárias à Reforma da
Previdência (PEC 287) e Trabalhista (PL 6787). “Este projeto também permite
trabalho temporário e anistia a dívida das empresas”, critica.

Sismuc é contra terceirizações

“Este projeto vai na contramão da garantia de direitos trabalhistas e melhores condições de trabalho, pois as estatísticas demonstram a falta de condições que os trabalhadores terceirizados enfrentam, com salários em média 30% menores que o contratado direto e ainda que de cada dez acidentes de trabalho, oito ocorrem com os trabalhadores terceirizados. No serviço publico a terceirização é mais danosa, pois além de tudo, existe uma grande dificuldade da fiscalização do controle social em acompanhar a execução e efetivação do contrato com a empresa prestadora de serviço. Por tudo isso, somos contra qualquer tipo de precarização do contrato de trabalho”, afirma Juliano Soares, da coordenação do sindicato.

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »