Sismuc abre inscrições para formação em raça

A coordenadoria de raça do Sismuc retoma as atividades e as parcerias com instituições que atuam na área de formação em relações étnico-raciais. E está com inscrições abertas para o ciclo de debates e vivências “Negritude, Branquitude e Novos Olhares”, que terá início no próximo dia 07 de março. Os encontros são quinzenais e acontecem sempre às terças-feiras, das 19 às 22h, no auditório do Sismuc (Rua Monsenhor Celso, 225 – 2º andar).

Segundo o coordenador da pasta, Dermeval Ferreira da Silva, as formações propõem discussões sobre a importância da valorização da diversidade étnico-racial brasileira, o fortalecimento da consciência negra e o empoderamento da população negra em relação aos seus direitos.

“Segundo o IBGE, a maioria da população brasileira é negra. Se somos 53% dos cidadãos brasileiros, podemos dizer que a questão racial está presente no nosso cotidiano e esse tema  não é só um problema do negro, mas de toda a sociedade. Brancos e negros devem questionar as práticas racistas que ainda estão presentes nas relações de trabalho, no ambiente escolar e nos serviços públicos, que, por falta de formação de seus servidores, ainda reproduzem o racismo institucional, que ocorre quando se nega ou omite um serviço público de qualidade para a população negra”, apontou.

O objetivo do “Negritude, Branquitude e Novos Olhares” é fomentar novas práticas sociais para a superação do racismo, o acesso aos direitos da cidadania e o protagonismo negro numa sociedade desigual. O curso também é voltado para compreender o processo histórico da luta da população negra pelos seus direitos,  para debater o preconceito racial na sociedade brasileira e propiciar espaços de interação, vivência e estudo da cultura afro-brasileira, além de empoderar os participantes com os instrumentos de participação na vida democrática do país.

As inscrições para o “Negritude, Branquitude e Novos Olhares” são gratuitas e podem ser feitas na sede do Sismuc. O curso é organizado pelo Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores (CEPAT) e IHS Jesuítas Brasil, em parceria com o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas – Neabi/Unisinos, Pastoral Afro da Arquidiocese de Curitiba e Sismuc. 

Mais informações: 41 3349 5343(Cepat) e 41 99693 2906(Acnap) |cepat_cjciascuritiba@asav.org.br

Programação
Março
7/3 – O negro e a política: como equacionar uma representação desigual?
21/3 – Na contramão da Casa Grande e Senzala: movimento negro e libertação
Abril
4/4 – Juventude negra: lutas e perspectivas
18/4 – Presença negra no mercado do trabalho
Maio
2/5 – Quilombos e quilombolas no Paraná
16/5 – Mulheres negras: uma trajetória de protagonismo acadêmico e de luta
Junho
6/6 – Cotas raciais: por que e como defendê-la?
20/6 – Saúde da população negra
Agosto
1/8 – História da África: aspectos arqueológicos, históricos e atualidades.
22/8 – Estética negra e consciência étnico-racial
Setembro
5/9 – Religiões de matriz africana com foco no Candomblé
19/9 – Religiões de matriz africana com foco na Umbanda
Outubro
10/10 – Lei do racismo: realidade social e relações étnico-raciais
24/10- Capoeira: cultura, roda, ritmo e ludicidade
Novembro
7/11 – A luta do povo indígena: resistência e ousadia
Dezembro
21/12 – História, luta e resistência na voz do samba

CMEIs e escolas sofrem com defasagem de profissionais

Falta de professores, CMEIs com estruturas defasadas e, agora, mais um grande problema encontrado na educação pública da cidade inteligente. A Secretaria de Educação de Curitiba tem feito o dimensionamento dos profissionais que atuam nas escolas especiais, ou seja, vem

Leia mais »