Remanejamento de trabalhadores de escola exige debate e condições

Em reunião de coletivo cheia, os auxiliares de escola
discutiram a situação desses servidores. Vários problemas transpareceram na
reunião.

O trabalho na secretaria de escola é parte do descritivo de
função. Porém, seu papel ali é de apoio administrativo. E a prefeitura tem
feito deles agentes administrativos.

De acordo com o relato dos trabalhadores, a prefeitura, para
corrigir o situação, está retirando todos da secretaria.

O sindicato, ao contrário, defende que o funcionário
permaneça na secretaria, fazendo o papel de apoio conforme decreto 1119/2004.
Com isso, é necessário que haja contratação de auxiliar de serviços escolares
para o pátio.

“É um trabalho importante. Tirá-los da secretaria é
prejudicar esse trabalho. Caso contrário, é capaz que até mesmo que um
professor seja alocado para a função na secretaria”, afirma Irene Rodrigues, da
coordenação do Sismuc.

Irene complementa que a prefeitura deve cumprir a legislação
(artigo 47 da Lei 11 mil): “Abrindo procedimento interno para que todos tenham
acesso a trabalhar na secretaria, ao invés de uma escolha informal como é feita
hoje. Hoje, o deficit de auxiliar de serviços escolares é de mais de 200 postos
de trabalho”, afirma.

Encaminhamento

O Sismuc pede que os servidores encaminhem por email (sismuc@sismuc.org.br) ao sindicato documentos (ofício, atas de indicação) que comprovem a lotação. Na quinta-feira (1) a entidade sindical deve oficiar a prefeitura para que haja uma reunião. “Queremos provar que as pessoas tenham o direito de estar em seu local de trabalho”, afirma Irene.

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »