Municipais definem pauta de lutas para 2017

O sentido da pauta dos servidores, aprovada hoje (6) em
assembleia geral, é avançar, mesmo em meio a um cenário difícil para
os trabalhadores. 

Os municipais definiram a necessidade de pressionar por
pautas que vão da saúde pública ao assédio moral.

A pauta foi elaborada entre os representantes por local de
trabalho, debatida e referendada em assembleia na parte da noite.

Para a luta de 2017, a assembleia também definiu a atualização dos vencimentos
básicos de acordo com a inflação, a partir do índice do Dieese.

Os municipais aprovaram ainda a necessidade de auxílio-refeição em pecúnia de R$ 37.

Outro ponto de
destaque é o trabalho decente e o combate ao assédio moral nos locais de
trabalho.

Na área da Saúde, foi definido também lutar pela implantação
de mesa permanente de saúde do trabalhador.

A necessidade de um programa de saúde mental também é vista de
forma a contemplar os servidores.

Reajuste com aumento
real

Com projeção para março de 2017, o índice do Dieese pelo INPC
aponta a chance de inflação de 6,51%. Os municipais definiram então exigir 8,5% de aumento real, resultando em percentual de 15% de aumento na pauta.

O Sismuc também se coloca no próximo período contra
realização de parcerias público-privadas. 

Assim como defenderá na mesa de negociação formação e
implante de política permanente em LGBTFOBIA.

A assembleia elegeu sete representantes da base para acompanhar
as mesas de negociação com a Prefeitura, ao lado da direção do sindicato. São
eles:

Draziella Turra – UMS Vila Sandra

Loide Almeida – Cmei Bracatinga

Edna Lemes – US São Pedro

Neusa Gegolin – UPA Pinheirinho

Eduardo Recker Neto – SMMA

Paulo Gomes – SMMA

Luiza Setubal – SME

Nota de pesar José Haroldo Ludewig

É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento de José Haroldo Ludewig, servidor que dedicou parte significativa de sua vida ao serviço público. José iniciou sua jornada como Auxiliar de Serviços Escolares em 2012, na Escola CEI Lina

Leia mais »