Notícias

Imprimir
  • 29/01/2020 Saúde

    Fechamento de centro de especialidades médicas matriz deixa pacientes desamparados

    Fechamento de centro de especialidades médicas matriz deixa pacientes desamparados
    Arte: Ctrl S
    Na surdina, servidores do Centro de Especialidades Médicas Matriz foram transferidos e população fica sem atendimento em várias especialidades

    Nesta segunda-feira (27), o Centro de Especialidade Médicas Matriz (CEMM), localizado na Rua Dr. Muricy, no centro, amanheceu fechado. Pacientes que foram até o local só encontraram a mensagem de que as especialidades foram transferidas para outros espaços da secretaria Municipal de Saúde e que deveriam procurar sua unidade básica de saúde para receber informações sobre o novo local de atendimento.

    O CEMM fazia cerca de 5 mil atendimentos mensais, adulto e infantil, de especialidades como acupuntura, homeopatia, oftalmologia, pneumologia, psicologia, psiquiatria e neurologia. Só que, com as mudanças, os pacientes ficaram sem atendimento e vão precisar voltar para a fila de espera, o que dificulta até mesmo estimar quando eles vão conseguir retomar o tratamento.

    O processo de fechamento de CEMM já vem ocorrendo há algum tempo, com a transferência de profissionais e que culminou no encerramento das atividades no local agora em janeiro. E o pior é que tudo foi feito na surdina,sem comunicado aberto à população e, em muitos casos, nem para os próprios pacientes que dependiam das especialidades ali oferecidas.

    Além disso, o prédio também abrigava o Ambulatório Enccantar, especializado no cuidado de crianças e adolescentes com autismo. O Ambulatório foi transferido, porém, as outras especialidades foram sendo remanejadas aos poucos para outras unidades distantes do local.

    O fechamento do Centro de Especialidades não leva em conta as necessidades da população, retirando atendimento daqueles que mais precisam sem considerar o deslocamento, e os tratamentos realizados por mais de um profissional de forma simultânea.

    Essas mudanças repentinas e sem diálogo ferem um princípio do SUS que preza pela criação de vínculo com os pacientes. Isso sem falar da estrutura precária dos equipamentos de saúde de forma geral, os locais para onde as especialidades estão sendo transferidas muitas vezes não oferecem condições adequadas de atendimento à população.

    Sem diálogo

    Não é novidade que o desgoverno Greca tem como uma de suas bases a falta de diálogo. Além de retirar o Centro de Especialidades da população, a Prefeitura não ouviu, novamente, aqueles que estão todos os dias em contato com a comunidade, os servidores.

    Esse tipo de postura tem sido comum na gestão e faz parte do plano de destruição da saúde pública. Fica clara a real intenção desse desgoverno: destruir a rede municipal de saúde, com fechamento de equipamentos, sobrecarga de trabalho, estrutura precarizada e desinvestimento em todo os setores.

    Assim, ele quer nos convencer de que a entregar a saúde pública nas mãos da iniciativa privada é a melhor solução. Mas, nós não vamos cair nessa conversa mole!

    Seguimos firmes na luta contra a terceirização e em defesa da saúde público, universal, gratuita e de qualidade.

    Imprensa sismuc e sismmac
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS