Notícias

Imprimir
  • 26/02/2021 Educação

    Coletivos da educação marcam retorno falho e dificuldades na comissão de monitoramento

    Coletivos da educação marcam retorno falho e dificuldades na comissão de monitoramento
    Arte: Ctrl S
    Reuniões virtuais debateram as pautas específicas das categorias e as dificuldades para enfrentar a Covid-19

    A preocupação com os riscos de contaminação do novo coronavírus, no retorno das atividades presenciais marcou os debates nos coletivos da educação que aconteceram esta semana. Foram realizados coletivos dos professores e professoras de educação infantil, apoio pedagógico e auxiliares de serviços escolares com objetivo de debater a pauta específica das categorias e sobre trabalho em meio à pandemia.

    Todas as categorias estão muito preocupadas com a situação e os protocolos falhos e mal informado para os trabalhadores. Os equipamentos de proteção individual (EPIs) que foram entregues são de baixa qualidade, e a estrutura das unidades não proporcionam o distanciamento social necessário, entre outras dificuldades. Em menos de uma semana do retorno das atividades presenciais, já foram fechados dois CMEIs devido a confirmação de casos de Covid-19 entre os trabalhadores, o que comprova o que o sindicato já vinha alertando: existe um risco real de surtos da doença das unidades escolares da rede.

    Volta às aulas com muitas dificuldades

    Nos Coletivos da educação, os trabalhadores relataram dificuldades encontradas para aplicar o protocolo de segurança proposto pela gestão, afinal de contas, o número de crianças e o espaço dentro das salas de aula não fecham. Além disso, os trabalhadores têm recebido faceshields de baixa qualidade, que machucam, e máscaras de tecido tão grandes que servem em todo o rosto, além de serem completamente inadequadas para o trabalho por não garantirem a proteção adequada.

    A comissão deve ser formada de forma democrática por:

    I.Equipe gestora:
    II. 02 (dois) representantes do segmento dos professores(as) do ensi¬no fundamental do turno da manhã (regente e professor das demais áreas/práticas);
    III. 02 (dois) representantes do segmento dos professores(as) do ensi¬no fundamental do turno da tarde (regente e professor das demais áreas/práticas);
    IV. 01 (um) representante do segmento dos professores(as) da Educa¬ção de Jovens e Adultos (EJA);
    V. 01 (um) representante do segmento dos profissionais de apoio esco¬lar (inspetores);
    VI. 01 (um) representante do segmento dos apoios administrativos;
    VII. 01 (um) representante do segmento do setor pedagógico;
    VIII. 02 representantes do segmento de professores de Educação Infantil;
    IX. 01 representante da equipe de colaboradores de limpeza de empre¬sa terceirizada;
    X. 01 representante da equipe de colaboradores de alimentação de empresa terceirizada;
    XI. representantes do segmento de pais de estudantes/crianças, orga¬nizados da seguinte forma:
    a. 02 pais do turno da manhã (ciclo I e II e integral);
    b. 02 pais do turno da tarde (ciclo I e II e integral);
    c. 02 pais da Educação Infantil;
    d. Pais contratantes do transporte escolar privado / pais usuários do SITES e transporte de acesso;

    XII. 01 representante dos ambulatórios de saúde das escolas especiais (se for o caso);
    XIII. 01 representante de estudante da EJA (se for o caso).
    Veja como formar as comissões de monitoramento nos locais de trabalho

    Em todos os espaços é perceptível a desorganização da gestão. Os servidores não foram informados corretamente sobre a criação de comissões nas unidades para avaliar a situação, além das denúncias de dificuldades para atender a comunidade escolar com segurança devido há falta de servidores para cobrir os locais de trabalho e sobrecarga para quem está na ativa. Inclusive, em alguns locais, as chefias têm selecionado os trabalhadores justamente para que estes não denunciem as condições do local.

    É importante que o processo de escolha dos representantes para a comissão de monitoramento dos protocolos seja feito de forma democrática, ou seja, que os trabalhadores da unidade tenham participação ativa no processo, evitando que o interesse da manutenção da saúde dos trabalhadores seja garantido.

    O SISMUC quer saber, como foi a escolha da comissão de monitoramento na sua unidade? Os protocolos estão sendo seguidos? Caso não estejam, mande sua denúncia para: http://bit.ly/DenúnciaEducação

    Servidores devem aprovar pauta geral em assembleia

    Na sexta-feira (26), às 18 horas, acontece a assembleia virtual para aprovar a pauta específica das categorias que serão entregues para a administração municipal. Convide seus colegas e participe. Clique aqui para se inscrever: bit.ly/assembleia2602

    Imprensa Sismuc
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS