Notícias

Imprimir
  • 21/12/2020 Educação

    Segundo SME, Comitê de Volta às Aulas não precisa validar protocolo

    Segundo SME, Comitê de Volta às Aulas não precisa validar protocolo
    Arte: Ctrl S
    SISMUC e SISMMAC rejeitam protocolo de retorno das aulas que coloca em risco a vida dos trabalhadores e da comunidade

    Nesta segunda-feira (21) o SISMUC e o SISMMAC participaram da última reunião do Comitê de Volta às Aulas. A reunião aconteceu apenas porque os Sindicatos cobraram a Prefeitura depois do anúncio surpresa que aconteceu na última sexta-feira (18), em que Greca anunciou o protocolo de retorno das aulas que não foi validado e nem mesmo conhecido em sua versão final pelo comitê.

    Na reunião, que durou apenas uma hora, a Superintendente de Gestão Educacional mostrou o caráter intransigente da gestão Greca logo no início e afirmou que o protocolo não deveria ser aprovado pelo Comitê, e que este só servia para dar “sugestões”. A gestão também afirmou que não precisaria ter criado o Comitê e que poderia ter criado o documento sozinha – que foi praticamente o que aconteceu. Os representantes da administração tratam o debate com os trabalhadores como um favor e não como uma necessidade, como deveria ser.

    Além disso, os representantes da administração apenas apresentaram a versão final do protocolo de forma rápida e sem nenhum debate. Os integrantes do Comitê sequer receberam o protocolo de forma oficial. Para a Prefeitura, o desprefeito Rafael Greca e a Secretária Municipal de Educação (SME) podem passar por cima de qualquer sugestão e discordância que exista sobre o retorno presencial, mesmo que elas sejam embasadas em outros protocolos e estudos.

    Confira as atas das reuniões do Comitê de Volta às Aulas

    As atas das reuniões estão disponíveis clicando aqui. Porém, é importante destacar que o documento é feito pela administração após as reuniões e enviado para os participantes do Comitê muito tempo depois. Por isso, as atas de número 5 e 9 não têm as alterações que foram propostas pelos Sindicatos, como uma forma de manobra da Prefeitura.

    A ata da reunião desta segunda-feira (21) será disponibilizada assim que for enviada para os Sindicatos. Vale lembrar também que o documento oficial do protocolo de retorno das aulas ainda não foi enviado para os representantes dos trabalhadores, que só tiveram acesso graças à base.
    E, se o objetivo do Comitê era estudar e estruturar um protocolo que garanta a segurança dos trabalhadores e da comunidade – como propagandeado pela Secretária de Educação na primeira reunião – por que quase todas as sugestões trazidas pelos Sindicatos não foram aceitas?

    O objetivo da gestão Greca nunca foi dialogar e sim usar dos protocolos de retorno das aulas para fazer propaganda fingindo ser uma gestão que se importa com a comunidade. Por isso, o SISMUC e o SISMMAC rejeitam o protocolo de retorno da aulas e não autorizam a divulgação do documento com o nome dos Sindicatos ou dos diretores que participaram das reuniões do Comitê. Afinal de contas, não concordamos de nenhuma forma com um retorno presencial que coloca em risco a vida dos trabalhadores e da comunidade. Retorno seguro somente com a vacina!

    A forma como a gestão leva as reuniões e muda o discurso para suas próprias necessidades só reafirma o que já sabemos desde 2017: não existe debate com a gestão Greca e com seus pupilos! Por isso, em 2021, o SISMMAC e o SISMUC apontam uma assembleia para deliberar sobre o indicativo de greve logo no início de fevereiro.

    Mesmo com a falta de debates, continuamos firmes na cobrança!

    Mesmo com a falta de debate, os Sindicatos cobraram a administração em todas as reuniões sobre a insuficiência das medidas que vinham sendo debatidas e que foram ignoradas pela gestão.

    Entre elas está a necessidade da vacina e da testagem para o retorno presencial, afinal de contas, o mundo de faz de conta da administração não leva em consideração a sobrecarga de trabalho dos servidores, a lotação das salas de aula, a dificuldade de higienização, o contato entre alunos e familiares e as necessidades dos alunos. Isso por si só já impede que o retorno aconteça de forma segura enquanto não houver vacinação em massa.

    A gestão também tentou tirar o corpo fora e colocou um termo de consentimento que jamais foi debatido e que transfere as responsabilidades da mantenedora sobre a segurança dos alunos totalmente para as famílias.

    Além disso, a gestão e diversos participantes foram contra as determinações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e contra o próprio estatuto do idoso e se recusaram a tratar como grupo de risco os servidores de 60 à 65 anos.

    Imprensa Sismuc e Sismmac
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS