Notícias

Imprimir
  • 13/10/2021 Geral

    Greca só quer devolver 3,14% em janeiro e sem retroativo

    Greca só quer devolver 3,14% em janeiro e sem retroativo
    Às vésperas da greve do BASTA, secretário reafirma descaso com servidores e parte para agressão em reunião

    Truculência, tentativa de agressão por parte de integrantes da gestão Greca e uma promessa de negociar a reposição da inflação da data-base deste ano em janeiro, com três meses de atraso. Esse é o resumo da reunião realizada entre os sindicatos que representam os servidores e representantes da administração municipal nesta quarta-feira (13).

    Durante a reunião, o secretário de Administração e de Gestão de Pessoal, Alexandre Jarschel de Oliveira, perdeu a compostura e tentou partir para a agressão, tendo que ser segurado por outros membros da administração. A cena, infelizmente, é exemplo da forma de agir do desgoverno Greca: truculenta e autoritária. Essa gestão mostrou mais uma vez que não tem o menor interesse em ouvir e negociar as reivindicações dos trabalhadores.

    O SISMUC, SISMMAC, SINFISCO, SIGMUC, SISMEC e SINDACS insistiram na tentativa do diálogo, destacando que a decisão de suspender o reajuste é incoerente e desconsidera o exemplo de outros municípios que sustentaram a compreensão jurídica de que a reposição da inflação paga em 2020 não é aumento de salário e não afronta o congelamento imposto com a Lei Complementar nº 173/2020 aprovada por Bolsonaro. Infelizmente, não houve abertura para negociar e os representantes de Greca deixaram claro que, se depender da gestão, o reajuste de 3,14% seguirá suspenso até o fim do ano.

    O agendamento da reunião foi fruto das ações de mobilização que fazem parte do calendário de greve dos servidores municipais e foi arrancada após um pedido de mediação junto aos vereadores. Houve um único avanço em comparação com a reunião do dia 15 de setembro, data em que a suspensão do reajuste foi “comunicada” arbitrariamente aos sindicatos. Quase um mês depois, a gestão registrou em ata o compromisso de retomar o pagamento dos 3,14% em janeiro, quando a Lei Complementar nº 173/2020 perderá a validade. A gestão também registrou em ata quea data-base que deveria ser paga aos servidores em outubro deste ano será negociada em janeiro. Além do atraso de três meses, também se recusaram a assumir o compromisso em repor toda a inflação acumulada no último ano, estimada até o momento em 10,14%.

    Mesmo reconhecendo que há dinheiro em caixa, a gestão se recusou a negociar qualquer forma de compensar os servidores pela redução salarial que acumularão entre setembro e dezembro de 2021. Os representantes da Prefeitura não tinham em mãos o valor do montante total que será retirado do salário dos servidores de setembro a dezembro de 2021, incluindo o reflexo no décimo terceiro. Essa foi uma informação cobrada pelos sindicatos, já que o reajuste confiscado agora não será pago de forma retroativa e o orçamento que seria destinado aos servidores será repassado para a outras áreas. A estimativa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) é de aproximadamente R$ 40 milhões.

    O secretário perdeu a compostura e a reunião teve que ser interrompida quando os sindicatos falavam sobre a desvalorização e o desrespeito que os servidores recebem da gestão Greca depois de todo o sacrifício e esforço desempenhados durante a pandemia. Muitos atuaram na linha de frente e arriscaram suas vidas para garantir o atendimento à população. E a resposta da gestão Greca para esses trabalhadores que a própria Prefeitura gosta de chamar de heróis é a total desvalorização: perda salarial, Plano de Carreira congelado, ataque à previdência, descapitalização do IPMC e a tentativa de impor uma avaliação por desempenho aos servidores.

    Veja no vídeo abaixo o momento em que o secretário de Administração e de Gestão de Pessoal parte para a tentativa de agressão

    Greca e sua equipe agem com truculência e se recusam a ouvir a verdade. Por isso, a resposta das servidoras e servidores é greve! É fundamental a participação de todos os servidores da ativa e aposentados na GREVE do Basta nesta sexta-feira (15), às 8h30, em frente à Prefeitura, para fortalecer a luta contra a redução salarial, em defesa da dignidade dos servidores e contra os ataques orquestrados pela administração municipal e sua bancada de apoio na Câmara de Vereadores. Fique atento às redes sociais dos sindicatos para mais informações e participe!

    Confira abaixo o resumo sobre a reunião feito ao vivo pelos sindicatos que representam os servidores municipais

Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS