Notícias

Imprimir
  • 20/05/2021 Geral

    Reforma Administrativa: Câmara vota admissibilidade na segunda (24)

    Reforma Administrativa: Câmara vota admissibilidade na segunda (24)
    Ajude a cobrar que os deputados rejeitem a PEC 32/2020 que destrói os serviços públicos

    A Comissão de Constituição,Justiça e Cidadania (CCJ) na Câmara dos Deputados iria decidir na manhã de hoje (20) sobre a admissibilidade ou não da Reforma Administrativa que pretende destruir os serviços públicos. Entretanto, a votação foi adiada para a manhã da próxima segunda-feira (24).

    A tramitação desse ataque em plena pandemia deixa clara qual é a prioridade da Câmara de Deputados e do governo: mais urgente do que garantir a vacina é avançar no desmonte do serviço público!

    Ajude a fazer pressão e a cobrar que os deputados rejeitem Proposta de Emenda Complementar 32/2020. A sessão será transmitida pelo canal da Câmara dos Deputados no Youtube. Você pode se manifestar pelo chat ou então enviar e-mails ou mensagens do WhatsApp para os deputados eleitos pelo Paraná que compõem a comissão!

    Tramitação: cabe à CCJ rejeitar a tramitação da Reforma

    Na última segunda-feira (17), o relator desse projeto de desmonte dos serviços públicos, deputado Darci de Matos (PSD-SC), apresentou um parecer pela admissibilidade, propondo apenas duas alterações nos pontos mais graves e visivelmente inconstitucionais. Esse parecer só não foi votado na segunda-feira porque deputados da oposição apresentaram um pedido de vistas coletivo e a previsão é que o tema volte para pauta nesta quinta-feira.

    Cabe à CCJ avaliar a constitucionalidade da Reforma Administrativa. Caso a proposta seja aprovada na comissão, a reforma ainda precisará ser analisada por uma comissão especial e, em dois turnos, pelo plenário da Casa.

    Embora o processo para a aprovação da Reforma Administrativa pareça longo, a verdade é que o governo Bolsonaro tem pressa em aprovar mais esse ataque à classe trabalhadora. A PEC apresenta a continuidade do plano de desmonte dos serviços públicos orquestrado pelo governo Bolsonaro e seus aliados e sua aprovação demonstra aos empresários que o governo está disposto a economizar às custas dos servidores públicos.

    Parecer do relator ignorou inconstitucionalidades

    O relator deu parecer favorável a tramitação da Reforma Administrativa, com mudança em dois pontos: a exclusão do trecho que permite que o presidente possa extinguir entidades da administração pública autárquica e fundacional via decreto e a retirada da proibição de que servidores ocupantes de cargos típicos de Estado possam exercer qualquer outra atividade remunerada.

    O trecho que permitia ao presidente da República extinguir órgãos federais, como o Ibama, com uma canetada, sem precisar de aprovação do congresso, é uma das inconstitucionalidades mais evidentes na proposta, mas há outros absurdos igualmente perigosos que precisam ser barrados.

    PEC da Rachadinha: PEC 32 quer transformar o Brasil um grande balcão de negociações de cargos comissionados

    A Reforma Administrativa foi proposta com o discurso de “acabar com os privilégios”, mas de quem estamos falando? A verdade é que Bolsonaro defende os que têm salários mais altos e tira dos servidores que estão diretamente prestando serviços à população.


    Enquanto tenta acelerar a aprovação da PEC 32/2020, o governo continua favorecendo seus apadrinhados políticos. No final do mês de abril, o ministro da Economia, Paulo Guedes, assinou a Portaria 4975/2021, que retirou o teto constitucional de R$ 39,2 mil para aposentados civis ou militares reformados que ocupam cargos ou funções de confiança no Estado. Agora, tanto o presidente Bolsonaro como apadrinhados políticos poderão receber pagamentos mensais acima de R$ 40 mil.

    A Reforma Administrativa vem sendo chamada de “PEC da Rachadinha” porque pretende anular os principais efeitos da Lei 8.112 de 1990, que consolidou o ingresso via concurso público e instituiu o Regime Jurídico Único – forma de contratação que é uma espécie de escudo contra a corrupção e o apadrinhamento no serviço público.

    A PEC 32/2020 ataca os concursos públicos, acaba com a estabilidade dos servidores públicos e propõe formas mais precárias de contratação para facilitar a terceirização e retomar a velha prática do apadrinhamento político. Se aprovada, vai prejudicar a vida da população mais pobre, ao mesmo tempo em que facilita a corrupção, a prática dos esquemas de "rachadinha" e a transformação dos serviços públicos em cabide de empregos.

    Além disso, a PEC amplia a desvalorização com o fim da progressão por tempo de serviço e a ampliação de avaliações de desempenho meritocráticas. Nessas avaliações, é comum que péssimas condições de trabalho sejam ignoradas e que pessoas próximas às chefias sejam beneficiadas.

Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS