Notícias

Imprimir
  • 07/04/2021 Geral

    No dia mundial da saúde, lutamos por vacinas!

    No dia mundial da saúde, lutamos por vacinas!
    Arte: Ctrl S
    Vacinação deve ser universal e acima do lucro. O SUS é único motivo pelo qual trabalhadores seguem vivos na pandemia

    Hoje, dia 7 de abril, é Dia Mundial de Saúde. Mais de um ano depois de declarada a pandemia de coronavírus, o desejo de todos os trabalhadores é que tenhamos saúde para continuarmos existindo. Mas, para que o direito à saúde chegue até nós, ainda precisamos percorrer um longo caminho.

    Era de se esperar que nações e governos movessem todos os esforços disponíveis para que conseguíssemos superar a pandemia. E, de fato, devido à ciência, à medicina baseada em evidência e aos investimentos que foram feitos em tecnologia e saúde, hoje, temos algumas vacinas disponíveis para a população. Mas isso não aconteceu sem custos.

    Para além das milhares de vidas perdidas nos últimos 12 meses, as indústrias farmacêuticas lucraram, e muito, às custas de investimentos públicos. E, agora, o que vemos é uma disputa comercial, característica da sociedade capitalista, dos países ricos, para adquirir o maior número de doses possível, enquanto países pobres ou em desenvolvimento sofrem com a escassez de vacinas e com a dificuldade de imunizar suas populações.

    É importante ressaltar que a pandemia é uma epidemia com caráter mundial.De nada adianta que países desenvolvidos garantam vacina para suas populações enquanto nos países em desenvolvimento continuam produzindo novas variantes e mutações dos vírus, como, infelizmente, é o caso do Brasil.

    Defenda o SUS!

    A nível federal, estadual e municipal, o Sistema Único de Saúde (SUS) tem sofrido constantemente cortes e mais cortes de verba. Quem achava que em meio à maior pandemia do século seria diferente, se enganou. No início de 2021 o governo Bolsonaro aprovou um orçamento de R$ 24 bilhões a menos para a saúde.

    Quem está na linha de frente sabe que qualquer centavo faz falta para a estrutura e o atendimento aos pacientes, já imaginou como vai ser combater a pandemia – e outras doenças – com R$ 24 bilhões a menos? Hospitais e unidades de saúde sem estrutura, assistência básica sucateada, trabalhadores esgotados.

    Mesmo assim, o SUS tem sido o único motivo pelo qual a classe trabalhadora permanece viva em meio à pandemia. Sem o atendimento universal e gratuito mais de 150 milhões de trabalhadores, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficaria sem atendimento.

    Já imaginou como seria a pandemia no Brasil sem o atendimento universal e gratuito do SUS? Os problemas que a saúde no Brasil possui são culpa da falta de investimento e do caminho da privatização. Por isso, durante a pandemia e depois dela, lembre-se: DEFENDA O SUS, DEFENDA O ATENDIMENTO UNIVERSAL E GRATUITO!
    O cenário que enfrentamos em nosso país é ainda mais cruel e perverso devido à política genocida do governo Bolsonaro e também de vários governos estaduais e municipais. Ao longo de todo o último ano, Bolsonaro e sua equipe negam a gravidade da pandemia, tentam empurrar remédios ineficazes contra a doença para toda a população – favorecendo setores da indústria farmacêutica -, operam com desinformação e atrasam a compra de doses para imunizar os trabalhadores.

    O combate ao coronavírus precisa ser global, é imprescindível produzir e distribuir vacinas para todos os países a preços acessíveis, o que vai contra os interesses econômicos das indústrias farmacêuticas, que já se beneficiaram de investimentos públicos para produção das vacinas e agora querem lucrar com a venda dos imunizantes.

    Saúde precisa estar acima do lucro! Para desenvolver vacinas de distribuição universal, é preciso colocar à disposição todo o conhecimento técnico e científico produzido, suspender patentes e direitos de propriedade intelectual. Mas não é isso que temos visto, mesmo que isso tenha custado, até o momento, quase três milhões de mortes e que esse número tende a crescer ainda mais.

    Para proteger os interesses comerciais das grandes empresas farmacêuticas que produzem as vacinas, não estamos explorando o potencial máximo de fabricação de doses:

    Mundialmente, de acordo com a UNICEF, estamos utilizando apenas 43% da capacidade para produzir as vacinas já aprovadas.

    Segundo a OXFAM, as três maiores fabricantes de vacinas produzem para apenas 1,5% da população mundial, um volume muito abaixo da sua capacidade potencial por não ter acesso às licenças.

    Com isso, milhões de pessoas dos países mais pobres ficam à margem da vacinação. Já os países ricos, que abarcam apenas 16% da população mundial, detêm 60% das vacinas.

    O Reino Unido havia distribuído mais de 31 doses a cada 100 pessoas e os Estados Unidos mais de 22 em fins de fevereiro. Já na Ásia, a média era de pouco mais de duas doses a cada 100 habitantes e a África menos de 0,55.

    Segundo o jornal The Economist, mais de 85 países não vacinarão o suficiente até 2023, enquanto os governos dos países ricos compraram três vezes mais unidades do que precisa a sua população (cinco no Canadá).

    É urgente que as universidades públicas recebam mais investimentos, para que tenhamos ciência e tecnologia de qualidade. Precisamos adotar medidas para fortalecer a investigação pública e garantir independência do capital privado e da indústria farmacêutica que têm apenas o lucro como objetivo. É preciso romper com um sistema que, com base nos ganhos financeiros da burguesia, define o que se investiga, o que se fabrica e o que não se fabrica, privando a humanidade de avanços que o seu próprio desenvolvimento poderia oferecer.

    No Brasil, isso só é possível com a suspensão do teto de gastos, com a manutenção e ampliação dos serviços públicos e com o fim do governo de Jair Bolsonaro. Vacina Para Todos Já!


    Imprensa Sismuc e Sismmac
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS