Notícias

Imprimir
  • 13/07/2021 Geral

    Coletivos de junho debateram condições de trabalho e demandas das categorias

    Coletivos de junho debateram condições de trabalho e demandas das categorias
    Arte: Ctrl S
    SISMUC realizou coletivos das categorias do serviço municipal nas duas últimas semanas, confira quais foram as pautas discutidas em cada um deles
    De 28 de junho a 09 de julho, o SISMUC realizou, de forma virtual, os coletivos das categorias dos servidores públicos municipais vinculadas ao sindicato. As condições de trabalho durante a pandemia do novo coronavírus e os ataques que estão tramitando contra os servidores públicos foram assuntos abordados durante os encontros virtuais.

    Além disso, a resposta negativa da gestão para as pautas de reivindicações específicas de 2021 também foram debatidas, além de repasses feitos pela direção sobre a tramitação da Reforma Administrativa e o estudo que aponta um grave ataque na aposentadoria dos servidores municipais.
    Confira abaixo os principais pontos abordados nos coletivos.

    Coletivo dos Agentes Administrativos

    Realizado no dia 28 de junho, os agentes administrativos fizeram uma avaliação sobre o trabalho remoto, situação que aconteceu em função da pandemia de Covid-19. A falta de apoio e assistência da gestão Greca para a realização da atividade em trabalho remoto foi um dos problemas apontado pelos servidores. Por outro lado, houve o consenso de que esta forma de trabalho, quando se dá o acesso para os sistemas informatizados e assistência aos trabalhadores, se encaixa para serviços administrativos.

    O entendimento da categoria é de que é necessário estabelecer uma forma direta de comunicação com as chefias para bom andamento do serviço, o que nem sempre ocorreu neste período. Também foi relatada a cobrança das chefias através de meios eletrônicos, fora do horário da jornada de trabalho, uma situação que aumentou neste período de emergência. O sindicato tem orientado os servidores para que entrem em contato para que possamos tomar medidas necessárias caso esta situação seja frequente. Você pode ver mais clicando aqui.

    Coletivo os Auxiliares Escolares e PSS

    No dia 1º de julho, servidores e trabalhadores contratados por Processo Seletivo Simplificado (PSS) discutiram sobre as condições atuais de trabalho nas escolas do município e o indicativo de retomada das aulas presenciais. Foram levantadas denúncias sobre exigências de trabalho presencial dos auxiliares, apesar do acordo pelo trabalho remoto. Além disso, têm se exigido dos auxiliares maior carga de trabalho em relação aos demais trabalhadores nas escolas, sem a adoção de medidas que os poupem de grande exposição ao coronavírus. Uma das medidas defendidas é, por exemplo, a rotatividade entre os trabalhadores para atender demandas presencialmente. Os servidores presentes no coletivo informaram que ainda não foram vacinados com as duas doses da vacina, não tendo, portanto, imunização completa para o retorno presencial já previsto pela gestão Greca.

    Coletivo da Educação

    Professores da educação infantil e assistentes pedagógicos se reuniram no dia 02 de julho para debater sobre o retorno das atividades presenciais, indicado para o dia 19 de julho. Até o momento, grande parte dos trabalhadores ainda não tiveram acesso à segunda dose da vacina e se preocupam com o risco de contaminação com o eventual retorno presencial, sem a perspectiva de adoção de medidas sanitárias para a retomada segura. Foram sanadas algumas dúvidas relativas aos outros pontos abordados durante o coletivo: a implementação da reforma administrativa a nível federal e os ataques da gestão Greca à aposentadoria dos servidores.

    Coletivo dos ACEs

    Na luta por melhores condições de trabalho e pela valorização, os Agentes de Combate às Endemias (ACEs) se reuniram no Coletivo no dia 5 de junho. No encontro, o sindicato fez repasse sobre a votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 22, que fixa um salário mínimo para os ACEs e os Agentes Comunitários de Saúde (ACS). A proposta tramita na Câmara dos Deputados desde 2011 e tem previsão de ir para votação em agosto. Além disso foram discutidas as possibilidades para garantir reconhecimento e valorização para a atividade, tão importante para a saúde pública dos municípios.

    Coletivo da FAS

    A necessidade de concurso público para recompor o quadro de servidores na Fundação de Ação Social (FAS) foi um dos tópicos abordados no coletivo da categoria. Sem concurso público há 10 anos, a direção da FAS tem feito contratos temporários para educadores sociais, situação que não atende os critérios para atividade, que implica em vínculos com os usuários atendidos.

    A necessidade de uma normativa para o remanejamento dos servidores é outra pauta urgente da categoria, que se vê frequentemente sendo convocada para novas funções sem critérios transparentes. Uma das deliberações do Coletivo foi o chamado para que servidores e usuários da FAS participem da Conferência Municipal de Assistência Social prevista para acontecer até 31 de agosto.

    Coletivo da Saúde

    Na sexta-feira, 9 de julho , servidores da saúde discutiram sobre a pauta de reivindicações e criticaram a negativa genérica por parte da Prefeitura. Os trabalhadores defenderam a necessidade de mobilizações coletivas para a defesa das pautas da categoria, bem como o Diagnóstico da Saúde - ação do sindicato para colher relatos sobre as condições de trabalho e receber denúncias que dificilmente são feitas nos locais de trabalho por medo de coação das chefias. Ainda, foram tiradas dúvidas sobre a oferta de licenças-prêmio e motivos de recusa delas. Servidores que tiveram sua solicitação de licença negada não receberam maiores explicações por parte da administração e, portanto, foram orientados pelo sindicato de possíveis formas de sanar as dúvidas remanescentes. A categoria debateu também métodos de avaliação para o afastamento de contaminados pelo coronavírus e medidas de segurança nos locais de trabalho.

    Os coletivos são um espaço importante para a organização e luta dos trabalhadores em defesa dos seus direitos. É fundamental a ampla participação dos servidores para a discussão sobre condições de trabalho das categorias. Unidos somos fortes!

    Acompanhe os meios oficiais de comunicação do sindicato para próximas datas dos coletivos.

    Imprensa SISMUC
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS