Notícias

Imprimir
  • 23/11/2022 Na Pauta

    Servidores públicos de Curitiba entram em estado de greve e podem parar a qualquer momento

    Servidores públicos de Curitiba entram em estado de greve e podem parar a qualquer momento
    Ação é contra o plano de carreira dos servidores apresentado pelo prefeito Rafael Greca à Câmara dos Vereadores. Servidores exigem a imediata anulação do projeto e a construção de um novo.

    Os servidores públicos, articulados pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (SISMUC), aprovaram na noite desta segunda-feira (21/11) o estado de greve da categoria. A decisão visa barrar o projeto de plano de carreira enviado pelo prefeito Rafael Greca e seu vice-prefeito, Eduardo Pimentel, para a Câmara dos Vereadores, na última semana.

    O projeto, apresentado pela gestão Greca, apelidado pelos servidores de “plano de fim de carreira”, visa alterar o plano de carreira instituído na Lei11.000/2004 — que impacta todos os servidores e servidoras, inclusive aqueles com plano de carreira específico, como a educação e a guarda municipal.

    Do atual plano de carreira - congelado desde 2017 e segue até 31 de dezembro deste ano — não restará nada. Com o novo projeto, a gestão municipal estabelece diversos entraves para o crescimento do servidor na carreira, entre eles: pedágio, a avaliação de desempenho e o aumento da concorrência. Além disso, se conseguir vencer estes obstáculos, o profissional só conseguirá crescer se houver orçamento municipal, já que o crescimento está atrelado à disponibilidade orçamentária.

    Estado de greve - Com o estado de greve, os servidores exigem a imediata anulação do plano de carreiras proposto e a construção de um novo, que atenda e valorize nossos servidores, e garanta o direito da população em acessar um serviço público de qualidade.

    A situação de estado de greve é um alerta, já que a qualquer momento os trabalhadores poderão deflagrar uma greve geral. É importante ressaltar que neste momento não há paralisação parcial ou total da categoria em nenhuma unidade de atendimento à população, mas os servidores estão no local de trabalho mobilizados e em diálogo com a população.

    Proposta do Greca - Conforme a proposição enviada, 80% da nota para o crescimento na carreira terá como critério a avaliação de desempenho realizada pela chefia (que não possui definições claras). Além disso, o crescimento será, nos anos pares, no valor de 1% para apenas 20% dos servidores, e nos anos ímpares de 16,7% para apenas 5% dos servidores. E, para piorar, todos ficarão submetidos a um pedágio, proibidos de participar nos próximos três procedimentos de crescimento, com isso, o trabalhador, se conseguir o crescimento, deverá esperar 8 anos para tentar um novo. Calculamos que levará 40 anos para que todo o corpo de servidores possa progredir uma vez no crescimento por qualificação.

    “O Greca parece que esqueceu que um plano de carreira é o grande responsável por atrair bons profissionais para o serviço público e fazer dele a consolidação das políticas públicas que a população tanto precisa e tem direito. Um plano justo valoriza os trabalhadores e trabalhadoras, sem que os crescimentos dependam de chefias ou atos do gestor público. O prefeito, apresentando este projeto absurdo, decreta o fim das carreiras e ataca diretamente também a população”, afirma a direção do SISMUC.

    Mais informações:
    Soraya Zgoda | (41) 99556-0161
    Riquieli Capitani ou Carol Pacífico | (41) 99513-0200
    comunicacao.sismuc@gmail.com


    Imprensa SISMUC - Riquieli Capitani
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225 - Centro, Curitiba - PR CEP: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS