Na Pauta

  • 06/05/2022 Na Pauta

    Dos 12 deputados que votaram contra o piso salarial para enfermeiros, oito são do Partido Novo

    Dos 12 deputados que votaram contra o piso salarial para enfermeiros, oito são do Partido Novo
    Dos 449 votos a favor, somente 12 foram contra a aprovação do PL. Ricardo Barros (PP) foi o único deputado do Paraná contrário ao Projeto de Lei.

    A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (4), o Projeto de Lei 2564/20 que cria um piso salarial para enfermeiros, técnicos de enfermagem e parteiras. A proposta foi aprovada por ampla maioria dos parlamentares: 449 votos a favor e somente 12 contra.

    O único partido que deu a orientação de voto contrário ao projeto a seus integrantes foi o Partido Novo. Logo, todos os deputados da sigla foram contrários à proposta, totalizando oito votos.

    Dos outros quatro votos, dois são do Partido Liberal, o mesmo do presidente Jair Bolsonaro, um do União Brasil e um do Partido Progressista.

    São eles Adriana Ventura (Novo-SP), Alexis Fonteyne (Novo-SP), Gilson Marques (Novo-SC), Lucas Gonzalez (Novo-MG), Marcel van Hattem (Novo-RS), Paulo Ganime (Novo-RJ), Tiago Mitraud (Novo-MG), Vinicius Poit (Novo-SP), Eduardo Bolsonaro (PL-SP), José Medeiros (PL-MT), Kim Kataguiri (União-SP) e Ricardo Barros (PP-PR).

    O deputado Tiago Mitraud, líder do Partido Novo na Câmara, disse que o projeto “vai acabar com a saúde brasileira porque vamos ver as santas casas fechando, leitos de saúde fechando e os profissionais que hoje estão aqui lutando pelo piso desempregados, porque os municípios não conseguirão pagar esse piso”.

    Agora, segundo a relatora da proposta, a deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC), o projeto não seguirá imediatamente para sanção presidencial. Primeiro deve ser garantido o respetivo financeiro. Isso porque o Senado irá votar a Proposta de Emenda à Constituição 122/15, que proíbe a União de demandar despesas aos entes federativos sem prever a transferência de recurso.

    O líder do governo, Ricardo Barros (PP-Paraná), que também votou contra, disse que o Executivo irá buscar fontes para financiar o piso salarial, como a legalização dos jogos de azar no país. A regulamentação pode ser uma moeda de troca do governo federal para a sanção do piso salarial.

    “São R$ 16 bilhões que estão aguardando a fonte de recursos, e nós estamos trabalhando demoradamente e insistentemente na busca de recursos para garantir que as conquistas sejam efetivas”, declarou.

    Edição: Rebeca Cavalcante

    Caroline Oliveira - Brasil de Fato (BDF)
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225 - Centro, Curitiba - PR CEP: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS