Na Pauta

  • 06/03/2021 Educação

    Trabalhadores da educação deflagram GREVE em defesa da vida

    Trabalhadores da educação deflagram GREVE em defesa da vida
    Arte: CtrlS
    Paralisação começa no dia 10 de março, data imposta pelo prefeito para o retorno presencial

    Os servidores da educação compareceram em peso na assembleia conjunta na tarde deste sábado (6) e deflagraram GREVE em defesa da vida a partir da próxima quarta-feira (10). Mais de 500 trabalhadores da educação participaram da assembleia e exigem a manutenção do trabalho remoto até a garantia de vacina, testagem e controle da pandemia.

    Mesmo com o colapso do sistema de saúde no estado do Paraná e com 98% dos leitos de UTI de Covid-19 ocupados em Curitiba, o desprefeito Rafael Greca seguiu a orientação do governador Ratinho Jr. e decretou a retomada das aulas presenciais na rede municipal para o próximo dia 10.

    Proposta da Greve

    Greve pela vida a partir de quarta-feira (10)

    Pauta: Trabalho remoto para todas e todos os trabalhadores da educação até que se tenha vacina, testagem e pandemia controlada

    Encaminhamentos:
    Live conjunta na segunda-feira (8)

    Assembleia permanente

    Ações para fechar unidades escolares com surtos de Covid-19

    Moção de solidariedade aos servidores de educação de São Paulo

    Carreata

    Análise técnica do álcool gel e das máscaras enviadas pela Prefeitura (aguardando resultado)

    Levantamento sobre o número de CMEIs e escolas com ventilação inadequada e com salas sem condições de distanciamento de 1,5 (sendo feito pelo canal de denúncia)

    Buscar construção de mobilização para greve nas categorias não essenciais

    Buscar apoio dos profissionais da saúde

    Ato simbólico em defesa da vida

    Ampliar a discussão junto com a população

    Distribuição dos Kits de Alimentação de forma segura

    Greca ignora os números desastrosos das últimas duas semanas de sistema híbrido nas unidades de ensino. Desde o retorno das aulas presenciais esse ano, foram pelo menos 84 servidores da educação infectados com Covid-19 e os sindicatos receberam denúncias de 54 unidades que tiveram casos confirmados entre servidores e estudantes. Esse é o resultado de um protocolo falho que não garante a segurança, máscaras de péssima qualidade que não são consideradas EPIs, falta de estrutura e abastecimento de água nas unidades e de uma gestão que não se sensibiliza com a vida dos trabalhadores.

    Além disso, o estado do Paraná enfrenta mais uma ameaça eminente além do colapso do sistema de saúde: a P1, variante brasileira do novo coronavírus. Essa nova cepa é comprovadamente mais transmissível e com maior carga viral que a anterior e já está circulando intensamente no estado. Com a falta de estrutura e um protocolo que não funciona, os servidores da educação puderam reafirmar que as unidades escolares não representam um ambiente seguro para os trabalhadores e os alunos. Pelo contrário, aulas presenciais nas escolas e CMEIs podem potencializar a disseminação do vírus em um dos piores momentos da pandemia no país.

    Por isso, em defesa da vida e para evitar a propagação do coronavírus, os servidores da educação entram em greve contra o retorno das aulas presenciais. A assembleia também aprovou diversos encaminhamentos para intensificar a adesão e mobilização pela greve. Entre eles, ocorre nesta segunda-feira (8) uma Live conjunta na página do Facebook dos Sindicatos. Confira os demais encaminhamentos no box ao lado.

    Imprensa SISMUC SISMMAC
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS