Na Pauta

  • 23/07/2020 Na Pauta

    Situação dos servidores nas UPAs e UBSs é denunciada ao MPT

    Situação dos servidores nas UPAs e UBSs é denunciada ao MPT
    Arte: CTRL S
    As denúncias apontam irregularidades como ausência do distanciamento mínimo de 1,5m, ventilação insuficiente no ambiente e sobrecarga de trabalho

    Em nova videoconferência com o Ministério Público do Trabalho (MPT) os sindicatos, mais uma vez, denunciaram as precárias condições de trabalho dos servidores municipais que estão na linha de frente do atendimento à população, durante a pandemia do novo coronavírus.

    Desta vez o foco foram os diversos problemas que estão acontecendo nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e em Unidades Básicas de Saúde (UBSs). A partir das denúncias recebidas, os sindicatos apresentaram as situações que colocam em risco a saúde dos servidores e que estão contribuindo para a explosão no número de casos confirmados de Covid-19 nos locais de trabalho. O stress e a sobrecarga de trabalho são fatores que também estão contribuindo para baixa imunidade dos servidores.

    As denúncias apontam irregularidades como ausência do distanciamento mínimo de 1,5m para atendimento, ventilação insuficiente no ambiente, ausência de barreira de vidro na recepção de UBSs e na UPA Sítio Cercado, improvisação de ambientes para atendimento com separação por lonas, surtos de contaminação dos servidores com altos índices de afastamento em um mesmo equipamento, fornecimento insuficiente e inadequado de equipamentos de proteção individual para a jornada de trabalho, entre outras situações denunciadas.

    O SISMUC ainda colocou a necessidade de que as licenças dos servidores com casos confirmados de Covid-19 seja de 14 dias e não apenas 7 dias como vem acontecendo. O prazo de 14 dias é recomendado pela Organização Mundial da Saúde, Organização Pan-americana de Saúde e a Sociedade Brasileira de Infectologia. Tentar encurtar esse prazodeixa os servidores ainda mais vulneráveis diante da pandemia.

    Educação: sindicatos reivindicam máscara de proteção (face shield) e insistem para que escolas e CMEIs abram uma vez por mês

    A Prefeitura enviou máscaras de tecido, 10 protetores faciais (face shield), luvas descartáveis e álcool gel às unidades de ensino. Entretanto, a quantidade enviada foi insuficiente para a maioria dos equipamentos. Os sindicatos avisaram o MPT de que a maioria dos trabalhadores da educação está fazendo a distribuição de atividades e dos kits de alimentação, nesta semana, usando apenas as máscaras de tecido.

    Essas máscaras não substituem os EPs, pois não têm evidência comprovada, nem têm controle de fabricação. Além disso, o uso incorreto pode gerar uma falsa sensação de proteção e aumentar ainda mais o contágio.

    Apesar do apelo dos sindicatos, a Secretaria Municipal de Educação ainda não orientou que escolas e CMEIs passem a abrir apenas uma vez por mês, no dia de distribuição dos kits alimentação, evitando novos deslocamentos e contatos.

    O SISMMAC também informou ao Ministério Público do Trabalho que a Prefeitura pretende retomar o Atendimento Educacional Especializado ofertado em CMAEEs e em Salas de Recursos, por meio de videoconferência, a partir do dia 29 de julho. O documento orientador foi publicado no último dia 17, sem nenhum tipo de avaliação sobre a viabilidade e segurança desse procedimento com as professoras e professores. Se esse atendimento será retomado por videoconferência, o mínimo que a Prefeitura deve fazer é renovar os contratos de Regime Integral de Trabalho (RIT), que foram cortados destes professores durante a suspensão das atividades presenciais.
    A reunião contou com participação de representantes do SISMUC, do Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (SISMMAC) e Sindicatos dos Servidores Municipais a Enfermagem de Curitiba (SISMEC).

    As denúncias ao MPT são um dos caminhos que os sindicatos estão buscando para cobrar da administração melhores condições de trabalho para os servidores durante a situação de emergência para o combate e enfrentamento ao novo coronavírus. Caso você servidor e servidora tenha denúncias procure o Sindicato. Podemos manter seu anonimato e exigir condições de trabalho.

    É com a união do conjunto dos trabalhadores que vamos enfrentar os desmandos da gestão do desprefeito. Enquanto ele tem propagandeado obras de asfalto e reformas, os servidores da linha de frente estão abandonados à própria sorte durante a jornada de trabalho.

    Vaza, Greca! O pior prefeito de Curitiba.

    Imprensa SISMUC SISMMAC
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS