Opinião

  • 13/07/2018

    ECA faz 28 anos com Brasil atrasado na garantia de direitos

    ECA faz 28 anos com Brasil atrasado na garantia de direitos
    É necessário amplificar o diálogo sobre as situações de violações de direitos das crianças e adolescentes

    Hoje (13), comemora-se os 28 anos da promulgação do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA - Lei nº 8.069/1990), legislação federal brasileira que estabelece o sistema de proteção integral, com direitos e deveres das crianças e adolescentes, bem como as responsabilidades de cada representante da sociedade, ou seja: família, comunidade, poder público e sociedade em geral.

    O ECA é uma das legislações mais avançadas em relação à proteção integral de crianças e adolescentes. Foi inspirado na Declaração Universal dos Direitos Humanos (Nações Unidas, 1948) e, por isso, apresenta a compreensão da criança e adolescentes como “sujeitos de direitos” e “pessoas em desenvolvimento”.

    Em seu artigo 3º, o ECA afirma que crianças e adolescentes tem todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, e que devem ser assegurados a eles “todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade”.

    Vale destacar que essa legislação é aplicada para todas as crianças e adolescentes, “sem discriminação de nascimento, situação familiar, idade, sexo, raça, etnia ou cor, religião ou crença, deficiência, condição pessoal de desenvolvimento e aprendizagem, condição econômica, ambiente social, região e local de moradia ou outra condição que diferencie as pessoas, as famílias ou a comunidade em que vivem”.

    No entanto, mesmo com uma garantia legal, que defende e afirma direitos e proteção às crianças e adolescentes, a realidade brasileira ainda revela muitas omissões, negligências e violações.O Atlas da Violência 2018, divulgado Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelou que o número de estupros de crianças e adolescentes em 2016 atingiu 68% dos casos notificados ao SUS (Sistema Único de Saúde). Reiterando essa triste informação, o Ministério da Saúde divulgou o aumento de 83% da violência sexual contra este público, entre 2011 a 2017. A violência sexual é apenas um tipo de violação de direitos a que, diariamente, crianças e adolescentes são expostas. Cerca de 17 milhões de crianças até 14 anos – o que equivale a 40,2% da população brasileira – vivem em condição de pobreza e, consequentemente, estão mais vulneráveis a todos os tipos de violências e privações.

    É necessário amplificar o diálogo sobre as situações de violações de direitos das crianças e adolescentes, numa perspectiva de responsabilização de cada espera da sociedade. As políticas públicas que tornam concretos os direitos garantidos em lei, já existem, podem e devem ser acessadas. São alguns exemplos: CREAS (Centros Especializados de Assistência Social), CRAS (Centros de Referência da Assistência Social), UBS (Unidades Básicas de Saúde), Conselho Tutelar, Ministério Público, dentre outros espaços e organizações sociais que compõe a rede de atendimento à criança e adolescente.

    Por fim, é responsabilidade social de cada indivíduo olhar e cuidar das crianças e adolescentes como seres em desenvolvimento, que necessitam de afeto, apoio, empatia, encorajamento e cuidado para tornarem-se adultos saudáveis e plenos em suas capacidades.

    Fernanda Edi de Matos Celano
Ver índice de opinião
Fernanda Edi de Matos Celano #@titulo@#

É diretora de Relações Institucionais do Instituto Aurora, assistente Social, mestre em Ensino nas Ciências da Saúde e facilitadora de Círculos de Construção de Paz.

Últimos Artigos do Autor

Nenhum registro encontrado.

Ver todos os artigos desse autor

Artigos Relacionados

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225, 9º andar. Conjunto 901/902 - Centro. Curitiba- PR. Cep: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS