Opinião

  • 22/06/2018

    “Aumento da conta de luz é injusto”, avalia DIEESE-PR

    “Aumento da conta de luz é injusto”, avalia DIEESE-PR
    O aumento de 15.99% reflete uma política voltada para os acionistas
    Por DIEESE/PR
    Na última segunda-feira (19/06), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou o aumento médio de 15,99% nas tarifas de energia elétrica da Copel a partir do dia 24/06, para os consumidores de baixa tensão o aumento médio será de 15,13%, já para os consumidores da alta tensão a elevação será de 17,55%. Para os consumidores residenciais – B1, o aumento será de 15,06%. Este reajuste significativo foi influenciado principalmente pelo aumento expressivo dos custos não gerenciáveis, entre eles o custo da aquisição de energia, que foi influenciado pelos baixos níveis dos reservatórios e também pelo acionamento das usinas termoelétricas.


    Importante destacar que no período de junho de 2017 a maio de 2018 o IPCA está acumulado em 2,86%, ou seja, considerando o reajuste de 15,06% a ser aplicado nas tarifas residenciais, o aumento real para os consumidores será de 11,86%.


    Paranaenses pagam mais

    No período recente os índices de inflação na região de Curitiba têm apresentado variações acima da média nacional, nos últimos doze meses terminados em maio de 2018, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nacional está acumulado 2,86%, enquanto que o índice em Curitiba foi de 2,99%, a terceira maior elevação, atrás apenas de São Paulo (3,31%) e de Porto Alegre (3,20%). Portanto, o aumento do custo de vida na capital paranaense está acima do verificado em outras localidades, impactando diretamente para a redução significativa do poder aquisitivo dos trabalhadores paranaenses.


    O aumento das tarifas de energia elétrica de 15,06% para os consumidores residenciais, terá impacto expressivo sobre a inflação na capital paranaense, contribuindo desta forma, para a manutenção da inflação em Curitiba ser maior do que a média nacional. Além disso, nota-se que os aumentos tanto das tarifas de água e esgoto quanto da energia elétrica, estão muito acima de qualquer índice inflacionário, e também não são condizentes com os aumentos conquistados pelos trabalhadores nas negociações salariais.


    Política para acionistas

    A população paranaense observa na Copel somente uma empresa que tem obtido resultados econômicos financeiros expressivos nos últimos anos, com crescimento expressivo da receita e a manutenção de lucros bilionários. Porém, os números extremamente positivos não se refletem em uma tarifa mais justa para os usuários, muito pelo contrário, a cada ano os aumentos verificados oneram ainda mais o bolso dos trabalhadores, principalmente aqueles mais pobres, contribuindo para a queda do seu poder aquisitivo, ainda mais em um cenário econômico caracterizado por uma recessão, aumento do desemprego e queda da renda dos trabalhadores.


    A manutenção do lucro bilionários da empresa, favorecido pelos expressivos aumentos tarifários dos últimos anos, tem beneficiado principalmente os seus acionistas, em detrimento dos consumidores e dos trabalhadores. Situação que foi potencializada pela alteração na regra de distribuição de dividendos do lucro líquido, que até o ano de 2010 o percentual era de 25% (mínimo legal), já passando para 35% em 2011 e 50% em 2013. Entre 2011 e 2017 foram distribuídos em dividendos para os acionistas da Copel a cifra de R$ 3 bilhões.

    DIEESE
Ver índice de opinião
DIEESE #@titulo@#

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos é uma instituição de pesquisa, assessoria e educação do movimento sindical brasileiro.

Últimos Artigos do Autor

Ver todos os artigos desse autor

Artigos Relacionados

Nenhum registro encontrado.

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225, 9º andar. Conjunto 901/902 - Centro. Curitiba- PR. Cep: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS