Opinião

  • 28/08/2017
    revista Ágora

    Ocupações e resistência

    "ali na Câmara e acima de tudo com o choro preso na garganta, quando foi decidido pela assembleia pela desocupação, pois o medo de represália da policia era palpável"

    O calor ainda dominava a cidade quando surgiram os primeiros boatos do pacote de ações do prefeito eleito. Confesso: ninguém conseguia acreditar que esse senhor se valeria de atos inconstitucionais nacionais para pagar suas dividas de campanha. Porém, no dia do aniversário da cidade, apresenta-se o projeto na “Casa do Povo”, ainda pior que o esperado por aqueles que estavam acompanhando o processo.

    Conversávamos dentro das unidades, mas eram tão absurdas as propostas que poucas pessoas acreditavam. Alice ficaria invejosa, pois superavam, e muito, seu país fantástico. Não só ele adiava adata-base dos servidores, comoaumentava o desconto do IPMC, reduzia o 13º, colocava em xeque o valor do vale transporte.

    Assim demos início às assembleias e mobilizações para a greve geral dos servidores e esses começaram a compreender o quanto estavam perdendo a cada dia de trabalho, e o quanto ainda perderiam, e foi nesse espírito que iniciamos nossa greve no dia 12 de junho – um ato de amor à nossa cidade – depois de ser votado o regime de urgência para esses projetos.

    Sem que os vereadores, que já haviam ganhado visitas com inúmeras promessas do senhor “Prefeito”, quisessem conversar conosco, ocupamos o plenário da Câmara, no dia 13 de junho, com um sentimento de revolta, de angústia, uma vontade de mudar o mundo e a esperança que poderíamos fazer a diferença naquele momento, ali na Câmara e acima de tudo com o choro preso na garganta, quando foi decidido pela assembleia pela desocupação, pois o medo de represália da policia era palpável.

    A conversa prometida não surtiu efeito nenhum e, no dia 20 de junho, estávamos novamente em frente à Câmara, com mais vontade de lutar por nossos direitos, com mais pessoas se unindo a nós. Fomos recebidos com um verdadeiro aparelho de guerra da Polícia Militar. Mesmo com toda a chuva da noite, permanecemos no acampamento e na ocupação. Quando algumas pessoas entraram nas galerias da Câmara, não imaginávamos o horror que veríamos lá de cima, revoltados pelo descaso dos vereadores, os servidores arrancaram com uma bravura descomunal as grades que os separavam da polícia e alguns conseguiram ocupar o Plenário pela segunda vez, mas não sem agressão dos policiais, que bateram nos servidores desarmados. Dentro da galeria gritávamos para a sessão ser suspensa e, quando enfim perdemos a voz, o presidente a suspendeu.

    Mesmo em situações deploráveis permanecemos resistindo, sem banheiro e com pouca comida, mas com a força vinda do lado de fora. Novamente foi com lágrimas incessantes que desocupamos, pois a decisão de quem estava ocupando era permanecer, mas dependíamos da assembleia que fora realizada fora da Câmara, assim conseguimos novamente adiar o processo.

    Ópera de Arame: espetáculo da covardia

    Infelizmente, na semana seguinte, dia 26 de junho, os vereadores covardemente mudaram o local de votação para a Ópera de Arame e, se na semana anterior tinha efetivo policial, nesse dia eles estavam preparados para a guerra, inclusive com efetivo vindo do interior do estado e com o antibomba – que deveria ter sido usado neles, pois foram os únicos que portaram e jogaram bomba nos servidores.

    Em uma ultima estratégia de mobilização contrária, um grupo ocupou a prefeitura de Curitiba, e ali mostramos novamente nossa força e resistência perante o prefeito que se recusou a aparecer e conversar com quem realmente faz a cidade. Fomos ameaçados de várias formas, desde fisicamente até a prisão, mas permanecemos bravamente, até sermos forçados a sair por uma reintegração de posse, às 23 horas.

    Com o sentimento de que o projeto foi aprovado, mas a certeza de que a luta e a resistência a esse governo permanecerá todos os dias, pois somos maiores que ele e nossa força se faz da luta diária, ainda ouço a emblemática frase ao ocuparmos: “A Câmara de Vereadores de Curitiba volta a ser a casa do Povo. Tomada pelo Povo” e sinto um imenso orgulho das pessoas que ocuparam e fizeram parte dessa luta conosco.

    Marina Alzão Felisberto
Ver índice de opinião
Marina Alzão Felisberto #@titulo@#

Professora de educação infantil e integrante da direção do Sismuc

Últimos Artigos do Autor

Ver todos os artigos desse autor

Artigos Relacionados

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225, 9º andar. Conjunto 901/902 - Centro. Curitiba- PR. Cep: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS