Opinião

  • 07/06/2017

    Vereadores de Curitiba negociam o futuro dos servidores

    Vereadores de Curitiba negociam o futuro dos servidores
    Manoel Ramires/Sismuc
    É tolice achar que os vereadores são inocentes úteis. O que os movia na última gestão e na atual pode ser a sanha por cargos
    Os vereadores de Curitiba estão decidindo o futuro dos servidores municipais no escuro. É difícil acreditar que os 28 parlamentares aprovaram o regime de urgência após três meses de tramitação plenamente convictos de alguma coisa. Isso mais cheira a convencimento fisiológico.

    Boa parte dos vereadores que aprovaram a correria na tramitação até ontem - ano passado - eram da bancada governista ou apoiaram o ex-prefeito Gustavo Fruet na eleição. Inclusive o líder do governo, Pier Petruziello, que andava de mãos dadas com o pedetista. E Fruet, semana passada, alertou que o Plano de Recuperação de Greca, também conhecido como Pacote de Maldades, só empurra os problemas para frente, não resolve a crise econômica e ainda piora o atendimento à população. "Adiar o reajuste dos servidores e implementar uma reforma da Previdência liberal não parece ser o caminho adequado”, avaliou. Mesmo assim, os atuais vereadores parecem estar dispostos a dar um tiro no escuro para atender as vontades de Greca. Ou tem certeza de que até o final do ano as contas estarão ajustadas? No plano nacional foi vendida ideia semelhante e o povo brasileiro percebeu que não era bem assim.

    Bobo na política

    Aprovando o pacotaço, fica a dúvida: foram enganados por Fruet ou estão sendo enganados por Greca, uma vez que os números dos dois não batem? Talvez, o correto seja dizer que se deixaram ser enganados nos dois casos. E quem paga o pato são os servidores e a população.

    Toma lá...
    É tolice achar que os vereadores são inocentes úteis. O que os movia na última gestão e na atual pode ser a sanha por cargos. Dois belos soldos comissionados dentro da Prefeitura de Curitiba e emendas parlamentares criam a convicção em muito vereador e vereadora de que é necessário "colocar a venda o futuro dos servidores públicos".

    Ninguém mais esconde isso. Ontem (06), o vereador Goura, que não assinou o regime de urgência, colocou o dedo na ferida. "Nós não podemos votar com troca de favores e cargos políticos. A vida do servidor não pode ser trocado por um ou dois cargos no bairro", revelou.

    Leia tudo no Terra Sem Males

    Manoel Ramires
Ver índice de opinião

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225, 9º andar. Conjunto 901/902 - Centro. Curitiba- PR. Cep: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS