Notícias

Imprimir
  • 17/03/2018 Saúde

    Agentes de endemias denunciam condições de trabalho ao MP

    Agentes de endemias denunciam condições de trabalho ao MP
    Arquivo Pessoal
    Em audiência, Sismuc levanta principais problemas desse novo segmento não atendido pela prefeitura

    O Sismuc participou nessa sexta-feira (16) de reunião do Ministério Público do Trabalho.
    No encontro, o sindicato relatou problemas que afligem a categoria dos agentes de endemia, que não têm sido ouvidos pela gestão, apesar das várias tentativas.

    Problemas não faltam, no comparativo com outros segmentos do funcionalismo, e que se refletem na falta de benefícios como adicional de insalubridade, vale-alimentação entre outros.

    “É uma pauta simples e essencial, que trata basicamente de risco de vida e saúde, igualdade no vale-transporte e direito à alimentação, os agentes buscaram essa intervenção. Os trabalhadores são CLT, contratados diretamente, por isso fomos ao Ministério”, explica Irene Rodrigues, da coordenação do Sismuc. 

    Exposição a riscos

    A exposição dos agentes de zoonoses a riscos químicos e biológicos reforça a demanda pelo adicional de insalubridade. Soma-se a esse cenário de precarização a falta de provimento por parte da prefeitura de vale-alimentação, tendo os agentes que, nas ruas, financiar a própria alimentação. Os servidores denunciam a falta de reconhecimento por parte da gestão sobre os problemas em local de trabalho, no que se refere à saúde do trabalhador.

    “Passamos dados e informações referentes às tratativas, levando documentos que comprovam que a própria prefeitura executou perícia alegando riscos à saúde do trabalhador”, denuncia Irene Rodrigues. 

    Encaminhamento 

    Como encaminhamento, o Ministério Público agendou nova audiência entre as partes, Sismuc e Prefeitura – intimada a comparecer ao lado de representantes na figura administrativa da secretaria de Saúde –, para o dia 17 de abril, às 14h30.

    O sindicato avalia que a falta de diálogo com a administração levou o debate ao MPT, algo que deve ser superado, uma vez que é uma categoria recente e que deve ter a chamada isonomia (igualdade) de tratamento com os demais servidores no que se refere às condições de trabalho e salubridade.

    Pedro Carrano
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225, 9º andar. Conjunto 901/902 - Centro. Curitiba- PR. Cep: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS