Notícias

Imprimir
  • 29/10/2018 Geral

    Coletivo de Saúde debate Avaliação Funcional e próximos passos da mobilização

    Coletivo de Saúde debate Avaliação Funcional e próximos passos da mobilização
    Repórter da base
    Durante reunião com representantes da Saúde ficou acordado que a mobilização dos servidores e população é importante pois os ataques são graves

    Na última semana o Coletivo da Saúde se reuniu na sede do SISMUC para debater os rumos da luta contra o sucateamento da saúde pública de Curitiba. Na ocasião foi apresentado um balanço das ações em andamento e entre os pontos debatidos o destaque foi a implantação da Avaliação Funcional, a situação de estrutura e trabalho nas UPAs, a transição dos auxiliares para técnicos e mobilização dos servidores da saúde.

    Avaliação Funcional

    O SISMUC, em conjunto com o Coletivo da Saúde, se comprometeu a construir o debate e crítica ao modelo de avaliação com os servidores dos demais aparelhos de saúde de Curitiba. A Avaliação Funcional abre brecha para coerção e assédio moral pelas chefias, se baseando em fatores de avaliação subjetivos e que não expressam as verdadeiras condições de trabalho a que os servidores são submetidos. As faltas e atrasos têm forte impacto na avaliação final, o que coíbe a organização e mobilização dos trabalhadores em relação a greves e paralizações.

    A luta, portanto, deve ser contra modelos de avaliação cuja função principal seja coibir e assediar os servidores, ameaçando seus direitos e a luta por eles. Para isso, é necessária a revisão do modelo de avaliação, seus critérios e sua aplicação.

    Trabalho e estrutura nas UPAs

    Foi apresentado o resultado da mobilização dos servidores, que em ato no dia 23 de outubro barraram o fechamento da UPA Pinheirinho. A Prefeitura anunciou o fechamento da UPA para reformas e requalificação como centro especializado de atendimento psiquiátrico. Além da truculência ao definir o fechamento sem nenhum diálogo com a comunidade e com os servidores, o comunicado foi feito de maneira desrespeitosa aos trabalhadores e trabalhadoras, em uma reunião no corredor da UPA, em frente aos banheiros onde nem se sentar era possível.

    O remanejamento dos servidores que trabalham na UPA Pinheirinho atualmente, significaria uma perda real de até 10% de seus salários, já congelados a 30 meses. Precisamos manter a mobilização para que ao reabrir depois da reforma, eles não entreguem a UPA para uma Organização Social (OS) , num processo de terceirização, uma das bandeiras de lutas na área de saúde para barrar o avanço das contratações por OS.

    Remanejamento de vagas

    Ainda entre os ataques da gestão Greca, os servidores da saúde têm sido questionados a respeito da intensão de remanejamento de vagas não ocupadas, sobre o falso pretexto de mapeamento e levantamento de dados, quando na realidade o objetivo da Prefeitura é remanejar vagas já ocupadas entre diferentes locais. Assim, o SISMUC orienta: o servidor não deve assinar nenhuma requisição de remanejamento ou realocação indicada pelas chefias. Sob o risco de ter sua vaga realocada para postos de trabalhos distantes.

    Transição dos auxiliares

    Com relação a transição dos auxiliares para técnicos da saúde o sindicato recomenda que quem tem interesse deve entrar com ação individual, pois a transição coletiva teve declarada inconstitucionalidade. A departamento jurídico do SISMUC recorreu da decisão e aguarda sentença definitiva. Os interessados em entrar com ação individual para passar de auxiliar para técnico da saúde devem entrar em contato com o sindicato pelo tel.: 3322-2475.

    Conferência Municipal

    A participação dos trabalhadores na Conferência Municipal de Saúde também foi debatida no Coletivo. A eleição de delegados representantes dos trabalhadores será no dia 20 de novembro de 2018. Serão 32 vagas distribuídas entre todas as entidades.

    A luta não pode parar!

    O Coletivo frisou a importância para que a mobilização dos servidores continue firme para que se reverta o quadro crítico em que a saúde pública se encontra. A ofensiva da terceirização imposta por Greca, além do congelamento de carreiras, salários e concursos, reflete diretamente na piora das condições de trabalho dos servidores e atendimento precarizado à população. Organize seu local de trabalho para participar da próxima reunião do Coletivo da Saúde. Acompanhe as notícias pelo site do sindicato.

    Imprensa SISMUC
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225, 9º andar. Conjunto 901/902 - Centro. Curitiba- PR. Cep: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS