Notícias

Imprimir
  • 03/12/2019 Educação

    CMEI Heloína Greca vai funcionar apenas com PSS no próximo ano

    CMEI Heloína Greca vai funcionar apenas com PSS no próximo ano
    CMEI leva o nome da prima de Greca e carrega o principal legado do desprefeito: terceirização e precarização dos contratos de trabalho

    Inaugurado em abril este ano, o CMEI Heloina Greca vai funcionar no próximo ano somente com contratação temporária via Processo Seletivo Simplificado (PSS). Essa foi a informação dada às professoras do local que buscavam fixar vaga no CMEI durante o processo de remanejamento.


    Com isso, as professoras concursadas que atuavam no CMEI desde a sua inauguração não tiveram oportunidade de continuar o trabalho que vinham desenvolvendo com a comunidade. O CMEI será o primeiro a funcionar com todo seu efetivo contratado através de PSS, mas com certeza não será o único. Todas as unidades estão sujeitas ao processo de ampliação da terceirização.


    Essa atitude só mostra o desrespeito e a desvalorização com os servidores municipais. Na hora de inauguração e quando era preciso botar ordem na casa nova, as professoras da educação infantil concursadas, que possuem experiência no seu trabalho, eram bem-vindas.Agora, elas são deixadas de lado no seu próprio local de trabalho e terão que buscar novos espaços para atuação, muitas vezes longe da sua residência.


    A administração não leva em consideração que grande parte da categoria é composta por mulheres e mães, que muitas vezes não têm ajuda com seus filhos e necessitam trabalhar mais próximo de suas casas. Greca e seus comparsas enchem a boca para dizer que valorizam os trabalhadores da educação, mas essas professoras e professores não terão chance de se manter no CMEI, já que a Prefeitura irá substituir todos por contratações temporárias mais precárias.


    A quebra de vínculos gerada pelo PSS prejudica o desenvolvimento das crianças e o relacionamento com os pais. Os contratos via PSS têm tempo determinado, o que reduz as chances de as mães e pais conhecerem realmente os professores dos seus filhos. Além disso, a comunidade vai saber que os profissionais que cuidam e educam as suas crianças estão submetidos a condições de trabalho precárias, sem valorização e sem reconhecimento.


    O CMEI foi inaugurado com uma homenagem à própria família de Greca: Heloina foi prima da mãe do desprefeito. Mas, além disso, ao que tudo indica o CMEI também vai carregar o legado desse desgoverno, que é marcado pela terceirização, pela precarização dos serviços públicos e por contratos de trabalho cada vez mais precários. Ou seja, para sua família e para seus protegidos, homenagens e regalias. Para a população e para os servidores, só exploração e desrespeito.


    Vila Nori I tem situação precária e já foi solicitada solução ao CME


    O CMEI Vila Nori, próximo ao CMEI Heloina Greca, está em estado cada dia mais precário. A falta de manutenção da unidade já foi denunciada para a Prefeitura e também para o Conselho Municipal de Educação (CME). A resposta da administração é de que a situação é provisória e que as crianças matriculadas no Vila Nori seriam realocadas para o Heloina até o segundo semestre de 2019.


    Mesmo com diversas reclamações, a administração não tomou nenhuma providência, não realocou os alunos e professoras, e também não realizou a manutenção do local. A situação do CMEI, das crianças e das professoras e professores é ignorada pela Secretaria Municipal de Educação (SME).


    Remanejar seria mesmo a solução?


    O desrespeito com os servidores e com a comunidade mostra que a vontade da Prefeitura não é de revitalizar o CMEI Vila Nori, muito menos de manter essas professoras e professores no seu atual local de trabalho.


    Por isso, é necessário que seja feita uma cobrança para que a Prefeitura nos dê uma posição sobre a manutenção do CMEI e do possível remanejamento dos alunos.

    Imprensa sismuc
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS