Sua busca será em:
- Notícias
- Artigos de Opiniões
- Na Pauta
- Vídeos
- Galeria de Fotos

Notícias

Imprimir
  • 28/09/2017 Geral

    Vereador responsabiliza “marginais de outros estados” pela violência em Curitiba

    Vereador responsabiliza “marginais de outros estados” pela violência em Curitiba
    Chico Camargo/CMC
    Tito Zeglin não discutiu a responsabilidade do poder público pela falta de segurança

    O vereador de Curitiba Tito Zeglin responsabilizou os “marginais de outros estados” pela crescente onda de violência na capital do Paraná. A declaração polêmica foi dada durante o pequeno expediente da Câmara Municipal ontem (26). No entanto, ele não disse de quais estados migram os bandidos e tampouco discutiu o papel do poder público na proteção dos cidadãos.

    A declaração de Tito Zeglin ocorreu após ele ler carta em que uma curitibana reclama da falta de segurança na cidade e no entorno de um clube da cidade. De acordo com o parlamentar, é seu papel defender os interesses do povo.

    Por outro lado, Zeglin não enxergou como origem na violência o aumento da desigualdade de renda e os cortes que a Prefeitura de Curitiba e o governo do estado fazem na área de segurança pública. O vereador preferiu responsabilizar os “marginais de fora”, afinal tem sido “fácil” cometer assaltos em Curitiba.

    Zeglin adota estratégia de xenofobia ao responsabilizar os outros – os não curitibanos – pela insegurança. O vereador não leva em consideração que uma capital como Curitiba há um bom tempo tem entre seus moradores cidadãos vindos de outras cidades e estados que escolheram aqui para viver, trabalhar e pagar seus impostos. Não, ele encontrou a solução mais fácil, que é colocar a culpa nos de fora: “Curitiba tem sido palco de muitos marginais que vêm de outros estados do Brasil”.

    Se ele tivesse se debruçado mais nos números, saberia que a capital tem atualmente quase dois milhões de habitantes, de acordo com o IBGE, sendo um crescimento populacional que 600 mil pessoas desde 1991. É portanto, a 8a maior cidade do país com todos os problemas que uma metrópole tem: falta de segurança, saúde e educação.

    Agora, porque Curitiba está entre as 50 cidades mais violentas do mundo? Não deve ser apenas por culpa dos marginais forasteiros. A migração é um fenômeno que abrange países, estados, cidades, bairros, ruas.

    Talvez a falta de investimentos do poder público sejam uma fonte de explicação mais plausível. No governo do estado, por exemplo, o governador Beto Richa acaba de aprovar o aumento das horas extras da Polícia Militar e o retorno de praças já aposentados porque simplesmente não contrata novos profissionais. O modelo de gestão foi chamado de “legalização do bico”. Isso sem contar as diversas imagens de policiais empurrando viaturas por falta de gasolina para “perseguir os marginais de outros estados”. Ou o caos penitenciário que levou o Ministério Público do Trabalho a mover ação contra o governo por melhoria nas condições do presídio.

    Por outro lado, o vereador atua em Curitiba. Neste caso, poderia conversar com os guardas municipais. Eles têm reclamado do efetivo, que estaria abaixo dos 1,2 mil recomendados. Em conversa com os guardas, os trabalhadores dizem que “falta tudo”. Muitos têm que reparar seu fardamento ou até comprar sua própria botina, uma vez que a gestão não ofertaria. Os guardas também reclamam que a Prefeitura de Curitiba, na impossibilidade de ampliar o efetivo, sugeriu ampliar a jornada em 12 horas. Mas a proposta desagrada porque os descontos se equivalem aos benefícios. Ou seja, fica no zero a zero. É bom destacar que na mesma CMC, no mesmo dia, o secretário de finanças Vitor Puppi admitiu que a gestão deve R$ 18 milhões em horas extras para servidores municipais. Ou seja, a guarda municipal tem preocupações maiores do que fazer a guarda particular das empresas de ônibus contra “perigosos fura catracas” como tem sido a marcado do prefeito Rafael Greca.

    O vereador Tito Zeglin, preocupado que está com a violência, pode aprofundar o debate sobre a responsabilidade do poder público na insegurança dos cidadãos. Sem investimentos na área, tanto os marginais de fora como os daqui continuarão “tendo vida fácil”.

    Manoel Ramires
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225, 9º andar. Conjunto 901/902 - Centro. Curitiba- PR. Cep: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS