Notícias

Imprimir
  • 15/08/2018 Educação

    Greca ainda não enviou proposta de reajuste para Câmara Municipal

    Greca ainda não enviou proposta de reajuste para Câmara Municipal
    Daniel Castellano
    Data-base dos servidores municipais ocorre entre o primeiro e o segundo turno e tem vereadores candidatos

    No fim de junho de 2017, a Câmara Municipal de Curitiba aprovou os projetos de lei que congelavam as carreiras dos servidores, os salários e jogavam a data-base para 31 de outubro. Esses projetos foram aprovados por 25 vereadores. Desses, nove são candidatos a deputado estadual nessas eleições (veja reportagem embaixo). No fim de outubro daquele ano, nenhum projeto foi encaminhado à CMC, confirmando o congelamento de salários.

    Em 2018, conforme define a lei, os municipais fizeram a entrega da pauta de lutas em 7 de março. Nela, a categoria reivindica a somatória da perda histórica com o congelamento de salários praticado por Greca, que não pagou o reajuste em março de 2017, tampouco em outubro de 2017. “Os números pioram na medida em que o reajuste só deve ser aplicado em outubro de 2018, totalizando 30 meses de salários defasados. Do período de março de 2016, a outubro de 2018, a perda estimadas apenas nessa gestão são de 9,3%”.

    Espaço e dinheiro para conceder reajuste existem. Na última prestação de contas, em 16 de maio, o secretário de finanças Vitor Puppi admitiu que a arrecadação de Curitiba aumentou e que as dívidas diminuíram. Fruto do aumento de 7% na arrecadação do ISS (Imposto Sobre Serviços) e da arrecadação do IPTU, que cresceu 6,5% desde a revisão da planta genérica da cidade, em 2014. Ainda cresceu enormemente a arrecadação via ITBI, em 34,5%.

    Todavia, a gestão de Rafael Greca (PMN) se negou a negociar o reajuste nas mesas de negociação. Os governistas alegaram que o assunto seria debatido mais para frente. Contudo, não apontaram mesa de negociação. Dado o histórico da gestão, que encaminhou o projeto em 2017 sem negociar com os sindicatos, os servidores devem reforçar a pressão na gestão.


    Vereadores da situação e oposição disputam as eleições em outubro

    16 dos 37 vereadores de Curitiba são candidatos nessas eleições. Isso representa 45% dos membros da Câmara Municipal que podem simplesmente deixar o legislativo municipal. Eles disputam vagas de deputado estadual e de deputado federal. Os candidatos se dividem entre aqueles que votaram a favor do pacote de maldades de Greca (PMN) e contra o projeto. De acordo com a CMC, os vereadores não precisam se afastar para disputar as eleições. No entanto, qualquer falta não justificada será descontada do salário.


    Vereadores candidatos

    CONTRA O PACOTAÇO

    Mestre Pop (PSC) | Deputado Estadual

    Felipe Braga Cortês (PSD) | Deputado Estadual

    Noemia Rocha (MDB) | Deputada Estadual

    Professor Euler (PSD) | Deputado Estadual

    Goura (PDT) | Deputado Estadual

    Professora Josete (PT) | Deputada Federal

    Professor Silberto (MDB) | Deputado Federal

    A FAVOR DO PACOTAÇO

    Pier Petruzzielo (PTB) | Deputado Estadual

    Bruno Pessuti (PSD) | Deputado Estadual

    Maria Letícia (PV) | Deputada Estadual

    Rogério Campos (PSC) | Deputado Estadual

    Cristiano Santos (PV) | Deputado Estadual

    Tico Kuzma (PROS) | Deputado Estadual

    Sabino Picolo (DEM) | Deputado Estadual

    Ezequias Barros (PRP) | Deputado Estadual

    Mauro Bobato (Podemos) | Deputado Estadual

    Manoel Ramires
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Monsenhor Celso, 225, 9º andar. Conjunto 901/902 - Centro. Curitiba- PR. Cep: 80010-150     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS