Na Pauta

  • 30/01/2015 Na Pauta
    Bancários de Curitiba

    Juros em alta e custos sob controle engordam lucro de bancos em 2014

    Juntos, BB, Itaú , Bradesco e Santander vão apresentar um lucro líquido acumulado de R$ 52,54 bilhões no ano.
    Os principais bancos brasileiros fecharam 2014 com chave de ouro, de acordo com a previsão de sete corretoras consultadas peloValor Econômico. Juntos, Banco do Brasil (BB), Itaú Unibanco, Bradesco e Santander vão apresentar um lucro líquido acumulado de R$ 52,54 bilhões no ano, com crescimento de 18,9% na comparação com 2013.Considerando-se apenas o quarto trimestre de 2014 em relação a igual intervalo no ano anterior, o lucro do quarteto se expandirá 16,4%, para R$ 13,7 bilhões.

    O brilho dos números, porém, deve marcar o início de tempos mais difíceis em 2015. É o que o Goldman Sachs define como o começo do "fim de um ciclo" durante o qual os bancos se beneficiaram de taxas de juros mais altas, custo de crédito mais baixo e despesas sob controle.

    Trimestre a trimestre, a desaceleração já é perceptível, segundo a projeção dos analistas. Do terceiro para o quarto trimestre, o lucro dos quatro bancos deve ter ficado praticamente estável, até com uma ligeira retração de 0,39%. Os números consideram apenas os eventos recorrentes aos balanços dos bancos.

    Daqui por diante, a principal preocupação entre os analistas está na inadimplência. O envolvimento de grandes companhias brasileiras investigadas na Operação Lava-Jato e os níveis de desemprego estão no radar dos investidores. "Acreditamos no aumento das provisões para créditos de liquidação duvidosa", afirma Samuel Torres, analista da corretora Fator.

    A equipe do Goldman Sachs já projeta, por exemplo, uma deterioração na qualidade dos ativos de empresas no quarto trimestre de 2014. Os analistas da corretora Votorantim também projetam que a inadimplência do Bradesco mostre uma leve piora.

    Outro ponto de atenção de investidores e analistas recairá sobre as projeções para 2015. Diferentemente dos dois últimos anos, quando as instituições começaram o ano mais otimistas e depois revisaram suas perspectivas para baixo, em 2015 a previsão é que o pessimismo macroeconômico já pese sobre as expectativas iniciais.

    "Neste ano, a gente já parte da perspectiva de baixo crescimento da economia e deve ver projeções de crescimento de crédito abaixo de dois dígitos", diz Carlos Daltozo, analista da BB Investimentos. Com tal dinâmica, ele espera que haja pressão sobre as ações dos bancos à medida que os balanços e as respectivas projeções sejam divulgados.

    Para parte dos analistas, porém, a maior cautela com o crédito é bem-vinda em um momento em que a inadimplência dá pistas de que pode subir. Em 2014, o BB começou o ano com a previsão de que sua carteira cresceria entre 14% e 18% e, em novembro, cortou a projeção para uma faixa entre 12% a 16%. O Bradesco seguiu o mesmo caminho e reduziu a projeção de 10% a 14% para 7% a 11%. O Itaú manteve a estimativa de 10% a 13%, mas destacou que esperava um desempenho mais próximo do piso da projeção.

    Entre os fatores que ajudaram o lucro dos bancos em 2014 e que devem persistir neste ano estão os negócios não relacionados ao crédito. Em recente encontro com investidores, Roberto Setubal, presidente do Itaú Unibanco, afirmou que o banco tem olhado com especial atenção as receitas de prestação de serviços pelo fato de serem menos afetadas pelo ciclos econômicos.

    Amanhã, o Bradesco inaugura a temporada de balanços dos bancos. Pelas expectativas dos analistas, exibirá um lucro de R$ 3,96 bilhões no quarto trimestre, com alta de 23,85% ante igual período do ano anterior. O segundo maiorbanco privado do país deve ser a instituição com a maior expansão de lucro no trimestre.

    Segundo a média da previsão dos analistas, o Itaú Unibanco deve mostrar lucro líquido de R$ 5,45 bilhões no quarto trimestre, com alta de 16,5% em um ano. No período, o balanço ainda deve trazer o impacto da venda da operação de seguros de grande riscos, o que deve elevar o lucro em cerca de R$ 800 milhões, após impostos.Para o Santander Brasil, os analistas esperam lucro líquido ajustado de R$ 1,43 bilhão, com alta de 1,5%. A expectativa é que o banco comece a colher os frutos da parceria com o Banco Bonsucesso somente neste ano.
    No caso do BB, a perspectiva dos analistas é que o lucro líquido do banco cresça 15,1% e some R$ 2,857 bilhões. O resultado deve ser sustentado, principalmente, pelos spreads maiores que elevarão as margens da instituição. No fim do ano passado, os spreads dos bancos públicos começaram a se aproximar dos preços praticados pelas instituições privadas.
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475     E-mail: sismuc@sismuc.org.br

DOHMS