XI Congresso do Sismuc

Novidades

  • 13/08/2016

    Conservadorismo da “república de Curitiba” é fruto do planejamento da capital

    Liderança do movimento dos sem-teto fala sobre a construção de uma capital excludente
     Conservadorismo da “república de Curitiba” é fruto do planejamento da capital

    Paulo Bearzoti Filho, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST-Paraná), presente no XI Congresso do Sismuc, buscou explicar o mito da cidade modelo de Curitiba no debate feito na parte da manhã de hoje (13).

    O urbanismo da capital está construído a partir de uma infraestrutura que expulsa os trabalhadores da região central da cidade. Para ele, essa estrutura contribui para a construção de uma elite que tem aversão ao povo.

    “A ‘República de Curitiba’ é a expressão ideológica da cidade que está dentro desse eixo (central)”, denuncia.

    Cidade desigual

    Bearzoti recordou que, de acordo com relatório de 2010, classifica Curitiba entre as cidades mais desiguais do mundo, a de número 17 mais desigual. O dirigente chama a atenção de que várias cidades planejadas apresentam a característica da exclusão.

    “Por que o planejamento gera tanta desigualdade? Ele é importante, mas o problema é que esse planejamento não é para todo mundo”, denuncia.

    O debate entre servidores municipais e movimentos de luta por direitos foi bastante rico. E ao final, houve o apontamento de que as lutas por salários e por direitos devem ser feitas de forma conjunta.