XI Congresso do Sismuc

Novidades

  • 13/08/2016

    Emir Sader critica pouco espaço dos trabalhadores no Legislativo

    No Congresso do Sismuc, sociólogo analisa ataques do governo Temer contra a democracia e reivindica mais espaço para os trabalhadores no parlamento
    Emir Sader critica pouco espaço dos trabalhadores no Legislativo
    Primeiramente, Fora Temer!

    Essa foi a primeira palavra da mesa sobre conjuntura no início da manhã de hoje (13), no XI Congresso do Sismuc. Convidado para a análise da situação política nacional, o sociólogo Emir Sader ressaltou que, frente aos ataques contra a democracia, é necessária maior representação dos trabalhadores no Legislativo e no Congresso Nacional. 

    O professor falou também sobre o papel do governo interino de Michel Temer (PMDB) depois do golpe parlamentar, enquanto apresenta o livro que acaba de organizar, “O Brasil que queremos”.

    Os objetivos do governo estão dados, na avaliação de Sader. Para ele, a primeira meta do presidente interino é “privatizar, começando pelos recursos do pré-sal. O segundo objetivo “é a retirada de recursos para saúde e educação, dentro da ideia de que se a economia cresce, há recursos para as políticas sociais, apenas assim”, lamenta.

    Genocídio do povo negro

    "Antes mesmo do impeachment, já víamos retrocessos nas terceirizações, nos direitos das mulheres, o genocídio dos jovens negros, 8 a 10 mortos pela polícia, que é paga pelos impostos ao Estado. E a mídia fabrica a imagem de que são os agentes da violência, quando na verdade são vítimas. São jovens sem cara, sem família, chacinados todos os dias”, criticou Emir Sader.

    Espaço dos trabalhadores e o papel dos municipais

    “Não há tradição de eleger parlamentares dos movimentos sociais. Cadê a bancada da educação pública, da saúde pública, do movimento negro, dos jovens, dos metalúrgicos etc. Não conseguimos avançar com esse Congresso. Temos que democratizar o Estado”, critica Sader, para quem os trabalhadores têm a obrigação de conseguir maior representação no Legislativo.

    Um momento para esta disputa deve acontecer nas eleições municipais. “É a nível dos municípios que se desenvolvem as políticas democráticas e populares. Mesmo que restrinjam a participação na televisão, é possível fazer um debate sobre a cidade, que políticas queremos, que tipo de proteção aos jovens, às mulheres” , conclama.

    Em breve, matéria sobre as duas outras intervenções da mesa de conjuntura.